O quadro clínico de Mário Soares continua “estável, apesar da preocupação que inspira, continuando-se a registar uma ligeira evolução na resposta aos estímulos externos”, informou esta manhã o porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, José Barata. Segundo o responsável, “o prognóstico continua reservado, mas Mário Soares continua a mostrar uma ligeira evolução”. Durante a noite, “não se registaram alterações significativas”, acrescentou José Barata.

Os sinais vitais do antigo Presidente da República continuam estáveis, mas Soares continua inconsciente e em observação contínua nos cuidados intensivos do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde foi internado na madrugada de terça-feira.

O porta-voz da unidade de saúde, José Barata, tinha referido, ao final da tarde de quarta-feira, que Mário Soares foi sujeito a diversos “exames de avaliação de várias funções e órgãos”, que não “revelam agravamentos nos parâmetros”, mas mantém-se “debaixo de intensa vigilância médica”. O responsável destacou que o seu estado de saúde se mantém “estável”, mas “numa situação crítica e de prognóstico reservado”. O ex-Presidente está a ser alimentado por sonda nasogástrica.

Eduardo Barroso, sobrinho de Mário Soares, confirmou à TVI que “ninguém está a esconder nada”.”O tiozinho [Mário Soares] não reage ainda ao estímulo auditivo. Faço-lhe uma festa no braço e aperto um bocadinho e ele já reage à dor” explicou o médico, sem deixar de frisar a idade avançada de Mário Soares, com 92 anos, e uma possível “descrença na vida” após a morte da mulher, Maria Barroso.

Logo no início da manhã, o porta-voz do hospital onde o ex-Presidente está internado tinha afirmado que Soares se manteve “estável durante a noite, sem significativa alteração dos sinais vitais e com uma discreta melhoria do estado de consciência”. Mário Soares continua “internado nos cuidados intensivos sob permanente vigilância por parte da equipa clínica multidisciplinar que o acompanha”, explicou o responsável da instituição, sublinhando que o antigo chefe de Estado “está inconsciente mas reage a estímulos”.

Freitas do Amaral: “Se não puder [recuperar], que não sofra”

O antigo Presidente da República recebeu a visita de Diogo Freitas do Amaral, que falou aos jornalistas visivelmente emocionado. “Está estável, mas é muito crítico. Os médicos neste momento não fazem previsões, tudo pode acontecer”, disse o fundador do CDS, consternado. Freitas do Amaral aproveitou o momento para elogiar Mário Soares: “Sempre me tratou bem desde 1974, quando tantas outras pessoas mais próximas me irritavam e algumas me chamavam fascista, ele sempre acreditou em mim. Apesar de termos tido as nossas divergências e até um confronto eleitoral, a amizade é muito superior a isso”, sublinhou. “Se ele puder recuperar, que recupere o mais rápido possível. Se não puder, que não sofra. Sabemos que a nossa hora tem de chegar. Espero que não seja esta”, concluiu.

Mário Soares, que já estava acamado há vários dias, está em observação nos cuidados intensivos do Hospital da Cruz Vermelha desde a madrugada de terça-feira, onde deu entrada “com um quadro de agravamento do seu estado geral” de saúde. A informação foi dada pelo porta-voz daquele hospital, José Barata, que especificou que na terça-feira ainda decorriam “avaliações da sua situação clínica”.

D. Januário Torgal Ferreira: “Venho prestar homenagem a um lutador pela liberdade”

O bispo emérito das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira, esteve esta manhã no hospital da Cruz Vermelha, e aproveitou para elogiar Mário Soares à saída. “Vim aqui na atitude normal de quem tem amigos”, disse o bispo, sublinhando que vem “prestar homenagem a um lutador pela liberdade, pela tolerância, um aceitador reto, e não populista, da diferença”. D. Januário recordou também o momento em que se tornou amigo do antigo Presidente da República: “Um dia o doutor Mário Soares telefonou-me, nunca nos tínhamos encontrado antes, e quis conversar comigo. Perguntou-me se eu aceitava um almoço em casa dele, porque precisava de conversar sobre a vida e sobre o mundo”.

“Na luta política terá, quem sabe, os seus desvios”, sublinhou o bispo, acrescentando que “é um bom encontrar um homem que diz o que pensa”. D. Januário Torgal Ferreira destacou ainda que veio numa atitude de gratidão: “Venho agradecer, porque quando morreu um dos meus irmãos, muita gente não esteve comigo e com a minha família, mas o doutor Mário Soares esteve comigo. Estou aqui por gratidão, e guardarei sempre um documento que ele me enviou na hora da morte desse meu irmão, e que muito em breve vou deixar nas mãos dos três filhos desse meu irmão”.

Marcelo: “Os portugueses acompanham com carinho”

O Presidente da República já foi visitar o antigo chefe de Estado ao hospital. Assim que aterrou em Lisboa, vindo de Nova Iorque, onde participou no juramento de António Guterres na ONU, Marcelo Rebelo de Sousa seguiu diretamente para o hospital. À tarde, o chefe de Estado sublinhou que “todos os portugueses acompanham, não direi com preocupação, mas com carinho — com o carinho que sempre tiveram — sempre o que se passa com os presidentes que marcaram a nossa democracia”.

António Costa: A adesão de Portugal à União Europeia deve-se “seguramente em primeiro lugar a Mário Soares”

O primeiro-ministro tem estado ausente do país desde que Mário Soares foi internado, primeiro nos Estados Unidos com António Guterres e agora em Bruxelas. No entanto, ainda que à distância, António Costa assegura estar a acompanhar, com preocupação, o estado de saúde do antigo Presidente da República. O primeiro-ministro garante que “se estamos hoje a celebrar 30 anos de participação na União Europeia seguramente que, em primeiro lugar, o devemos a Mário Soares”.

Fernando Medina: “É uma figura de referência do nosso país, da nossa história”

O Presidente da Câmara de Lisboa quis deixar um “abraço de solidariedade à família” de Mário Soares, que está triste tal como todo o país. Para Fernando Medina, o antigo Presidente da República “é uma figura de referência do nosso país, da nossa história, também para a minha geração que lhe deve muito. A minha geração cresceu, viveu sempre em liberdade, e devemos muito isso ao doutor Mário Soares”.

Maria João Seixas: “Imensa dívida de gratidão”

A jornalista Maria João Seixas é amiga da família Soares e quis confortar a mulher, os filhos e os netos do antigo Presidente da República que são “pessoas fortes”. Maria João Seixas garantiu: “Devo muito da minha liberdade, com que sempre sonhei, a Mário Soares”, sendo a sua visita uma prova da sua “imensa dívida de gratidão”.

Miguel Trovoada: Emocionado e esperançoso

O antigo presidente de São Tomé, amigo próximo de Mário Soares, também passou pelo hospital da Cruz Vermelha. Emocionado, recordou momentos importantes da sua vida onde Mário Soares esteve presente e mostrou-se preocupado mas com esperança na melhoria de saúde do amigo.

Professor Manuel Carrageta: O coma significa “sofrimento cerebral”

Manuel Carrageta, Presidente da Sociedade Geriatria e Gerontologia, comentou e explicou o estado de saúde do antigo Presidente em entrevista à TVI. Questionado sobre o porquê do estado de inconsciência de Mário Soares, o professor explicou que “o cérebro está a ser agredido e que as causas podem ser ao nível circulatório, ligadas essencialmente a AVC (acidente vascular cerebral) ou tromboses.”

A TAC feita no dia em que deu entrada no hospital da Cruz Vermelha não mostrou quaisquer fatores que pudessem estar ligados a problemas circulatórios, no entanto, Manuel Carrageta acrescentou que situações dessas não são identificadas logo num primeiro exame e que por isso uma nova TAC foi feita esta terça-feira.

“Está muito fraco, com todos os seus órgãos perto da pré-falência, perto do limite”, disse o presidente da Sociedade de Geratria e Gerontologia afirmando ainda que, a falência dos órgãos, é algo considerado normal dada a idade já avançada de Mário Soares.

Manuel Carrageta considera, no entanto, que a resposta positiva aos estímulos é muito positiva, mas acrescenta que quanto mais profundo for o coma pior são os prognósticos de recuperação, revelando que nesses casos a a recuperação ronda os 50%.

As explicações de Eduardo Barroso

Já o médico Eduardo Barroso, sobrinho de Mário Soares, explicou aos jornalistas, à saída do hospital na terça-feira, que “a TAC foi negativa para qualquer outra situação”, mas que o antigo Presidente estava com “alterações no estado de consciência”.

Mário Soares celebrou no passado dia 7 de dezembro o seu 92.º aniversário, mas há bastante tempo que não comparecia em cerimónias públicas. A última vez que isso aconteceu foi a 23 de julho num encontro no Palácio de São Bento num evento de comemoração dos 40 anos da tomada de posse do I Governo Constitucional. Nessa ocasião apareceu visivelmente enfraquecido e amparado pelo Presidente da República, primeiro-ministro e presidente da Assembleia da República.

Desde a morte da sua mulher, Maria de Jesus Barroso, a 7 de julho de 2015, que o fundador do PS e o primeiro primeiro-ministro de um Governo Constitucional após a revolução de 25 de Abril aparecia raramente em público, tendo também deixado de escrever a coluna que mantinha no Diário de Notícias.

Em janeiro de 2013 Mário Soares esteve alguns dias internado no Hospital da Luz, depois de uma indisposição. Contudo, quando deu entrada naquela unidade hospitalar o quadro era complexo e preocupante, tendo-lhe sido diagnosticada uma infeção aguda no cérebro (encefalite), de que recuperaria totalmente.