As ações do BCP sofreram uma forte derrapagem na bolsa no dia em que foi concretizada a saída do banco espanhol Sabadell do seu capital. A cotação do banco liderado por Nuno Amado derrapou mais de 12% (12,3%) para 1,13 euros. Esta foi a maior queda diária registada nas ações do BCP em mais de dois anos.

O Sabadell, um dos maiores acionistas do BCP, comunicou a venda da sua participação, através de uma oferta particular de um lote de 38.577.892 ações que representam 4,08% do capital. A operação, dirigiu-se a investidores qualificados e institucionais, e foi realizada ao preço de 1,15 euros por ação, o que representou uma menos-valia de 8,3 milhões de euros para o banco espanhol. A oferta será liquidada a 15 de dezembro.

O Sabadell foi um dos acionistas que esteve envolvido na luta pelo controlo do BCP em 2007, sendo então visto como aliado do então presidente executivo, Paulo Teixeira Pinto. A saída do capital do banco português acontece semanas depois do grupo chinês Fosun se ter tornado no maior acionista do BCP, através de um aumento de capital que lhe permitiu assegurar 16,7% do capital.