A Grécia é considerada por muitos como o berço da civilização ocidental. E por ter tanta história para contar é normal, ainda nos dias de hoje, descobrirem-se fragmentos dessa história. Ao longo dos anos foram-se unindo peças ao ‘puzzle grego’ escondidas e enterradas pelo território. Agora mais uma peça se juntou ao puzzle, A descoberta de uma cidade com mais de 2500 anos, de seu nome Vlochós.

Fica a sensivelmente 300 quilómetros de Atenas, nos arredores da colina Strongilovoúni, nas planícies de Tessália. Já se tinha dado conta da sua existências, mas não da sua importância. Agora pensa-se que pode mudar a ideia sobre aquela área.

A equipa de arqueólogos responsável pela descoberta e pelas futuras escavações, da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, descobriu e identificou nas ruínas de Vlochós uma praça, o que leva a crer que o local encontrado foi em tempos uma grande cidade. Num comunicado divulgado pela Universidade sueca, Robin Rönnlund, estudante de doutoramento em Arqueologia Clássica e História Antiga da Universidade de Gotemburgo, que lidera os trabalhos de campo, conta que provavelmente, “a cidade antiga deve ter sido muito proeminente e visível em toda a região”.

“A área que se encontra dentro da muralha ronda os 40 hectares”, explica Robin afirmando que dentro dessa mesma muralha escondem-se muitos segredos que podem ser ‘contados’ pelos fragmentos de torres ou ainda portas da cidade já encontradas. No entanto, o investigador relata que grande parte das ruínas estão subterradas e que um dos objetivos é encontrar outra forma de extrair os objetos uma vez que as escavações pelo método tradicional os podem danificar.

Umas das descobertas já feitas foram pequenos fragmentos de cerâmica.

1481642630-vlochos3

Um fragmento de cerâmica encontrado nas ruínas da cidade