O treinador de atletismo espanhol, Miguel Ángel Millán de 66 anos, foi detido na passada segunda-feira por alegados abusos sexuais continuados a um atleta treinado por si.

O caso remonta a 2012 quando os abusos terão sido cometidos. No entanto, só em janeiro deste ano os alegados crimes foram denunciados, pois segundo o jornal El País, só nessa altura o rapaz, hoje com 19 anos, se sentiu com forças para denunciar o caso em janeiro deste ano. Foi com o apoio da família, que só agora teve conhecimento da situação, que o rapaz denunciou os abusos às autoridades. A identidade do antigo atleta de Ángel não foi revelada.

Na sequência da denúncia, o caso já foi investigado mas a juíza responsável arquivou o processo em outubro passado, depois de ter ouvido outros dois atletas que afirmaram nunca terem sofrido qualquer tipo de assédio ou abuso sexual por parte do treinador.

O rapaz recorreu da decisão e o processo foi reaberto em novembro. Com a reabertura do caso, outros atletas quebraram o silêncio e afirmaram ter sido também abusados sexualmente de forma contínua pelo treinador de atletismo. Esta foi uma informação avançada pelo advogado do rapaz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Miguel Ángel Millán teve uma importante carreira no atletismo espanhol com especial destaque para o Jogos Olímpicos de 1992 em Barcelona quando o atleta que treinava, Antonio Peñalver, conquistou a medalha de prata no decatlo. Atualmente ocupava o cargo de responsável pelas provas combinadas no comité técnico da Federação Espanhola de Atletismo, antes da própria Federação o suspender na sequência da reabertura do processo.

Até ao momento sabe-se que o treinador se recusou a prestar declarações às autoridades e será presente a juiz esta quinta-feira.