Afro Tas’ka

Rua Marechal Saldanha, 13 (Bica). 21 808 6930. De terça a sábado, das 16h às 02h. facebook.com/taskatapasbar

O que é? Um dos mais recentes projetos de Mikas, figura maior da noite lisboeta: um bar/restaurante onde se servem pequenas doses de comida africana de diferentes origens, da Guiné a Angola, saídas da mão certeira da cozinheira residente, a são-tomense Zola.
O que se come? Pastel de atum, caril de frango, caranguejo ou legumes, carne com quiabos ou os (picantes) camarões da Zola, entre outras sugestões. Volta e meia há cozinheiros convidados e pratos especiais. Para refrescar e digerir bebe-se caipirinha de grogue (aguardente cabo-verdiana) e cerveja de Moçambique.
Quando abriu? Março de 2016
Quanto se paga? 15€ por pessoa

AFRO TASKA TP3

Água da Cascata Vai Correndo na Ribeira e Acaba no Mar

Rua 9 de Abril, 21 (São Pedro do Estoril), Cascais. 21 468 3736. De terça a domingo, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 00h. facebook.com/aguadacascata

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O que é? Um restaurante com nome em forma de haiku (um género de poema japonês), cheio de mobília vintage, elementos artísticos e que mistura comida vegan, sushi, cocktails e sumos detox.
O que se come? O sushi é feito com peixe da costa e pode pedir-se à carta ou em combinados. Entre as sugestões vegan contam-se, por exemplo, um cuscuz crudívoro e uma tagine de legumes.
Quando abriu? Janeiro de 2016
Quanto se paga? 20 a 25€ por pessoa

AGUA CASCATA TP5

Ao 26 Vegan Project

Rua Vítor Cordon, 26 (Chiado). 96 798 9184. Segunda das 12h30 às 19h. De terça a sábado, das 12h30 às 23h. Encerra ao domingo. facebook.com/ao26veganfoodproject

O que é? Um restaurante de comida vegan, como o nome indica, onde se prova, ou tenta provar, que o sabor da comida não está dependente da utilização de produtos de origem animal e que uma bifana de seitan pode ser tão ou mais saborosa que uma de porco.
O que se come? Um bife de seitan marinado em tomilho e alecrim e salteado em manteiga vegetal, um caril tailandês e, claro, saladas diversas. Todos os dias há sugestões rotativas ao almoço e as sobremesas caseiras também merecem (muita) atenção.
Quando abriu? Junho de 2016
Quanto se paga? 10 a 15€ por pessoa

AO26 TP4

AronSushi

Mercado 31 de Janeiro, Rua Engenheiro Vieira da Silva (Picoas). 21 354 0286. Das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h. Fecha domingo ao jantar e segunda-feira todo o dia. www.aronsushi.pt

O que é? O segundo restaurante do sushiman brasileiro Aron Vargas, um dos melhores executantes na matéria a trabalhar em solo nacional, discípulo de Takashi Yoshitake, do mítico Aya.
O que se come? A carta é em tudo semelhante à do primeiro AronSushi: inclui uma quantidade apreciável de entradas, sushi e sashsimi de diferentes tipos, para pedir individualmente ou em combinados, e até massas, tempuras ou sopas. Tudo seguindo a tradição japonesa, nada de fusões. Ao almoço destaque para os menus predefindos — nove, ao todo –, que vão do chirashi (taça de arroz com fatias de peixe) ao tonkatsu (porco panado), com direito a entrada, sopa, salada e prato.
Quando abriu? Maio de 2016
Quanto se paga? 20€ (almoço) a 35€ (jantar) por pessoa

ARONSUSHI TP15

Bagos Chiado

Rua António Maria Cardoso, 15B (Chiado). 21 342 0802. De terça a sábado, das 12h às 15h e das 19h às 23h. facebook.com/Bagoschiado

O que é? O regresso de Henrique Mouro (ex-Assinatura) à chefia de uma cozinha no centro de Lisboa, com uma ementa criativa e bem executada, integralmente dedicada aos arrozes.
O que se come? Arroz, lá está, em diferentes contextos, pontos de cozedura, utilizações e companhias. Para se ter uma ideia, a recém-lançada carta de inverno inclui, entre outros, choco frito com arroz de ostras e limão de salga, arroz de lebre com feijocas ou, nas sobremesas, um chocolate com coração de arroz doce. Ao almoço há um menu executivo com sugestões que rodam semanalmente.
Quando abriu? Julho de 2016
Quanto se paga? 15€ (almoço) a 30€ (jantar) por pessoa

BAGOS CHIADO TP12

Bairro do Avillez

Rua Nova da Trindade, 18 (Chiado). 21 583 0290. Todos os dias das 12h às 00h. bairrodoavillez.pt

O que é? O último projeto de José Avillez no Chiado, um espaço enorme, cujo interior replica um bairro típico lisboeta. Inclui uma mercearia, uma charcutaria, uma taberna com petiscos e um restaurante de peixe e marisco com dois andares e zona para grupos.
O que se come? Na charcutaria, queijos e enchidos da Manteigaria Silva. Na taberna, pequenos pratos, petiscos e algumas sanduíches de inspiração tradicional (como a de leitão com pickle de algas ou o prego do lombo à casa). No páteo, há peixe e marisco, tanto ao peso como à dose. Sempre com o dedo de Avillez nas receitas.
Quando abriu? Agosto de 2016
Quanto se paga? 20 a 40€ por pessoa

avillez, josé avillez, chef, cozinha, bairro, restaurante, bairro do avillez, 2016, comida,

Butchers

Rua do Pólo Sul 15C (Parque das Nações). 21 605 2789. Todos os dias das 12h às 15h e das 19h às 23h (sextas e sábados até às 00h). facebook.com/restaurantebutchers

O que é? Para os amantes de carne, mais concretamente de carne maturada, é uma espécie de parque de diversões infindável, tal é a oferta neste ramo.
O que se come? Diferentes cortes e espécies de carne maturada, da vazia à maminha, do entrecote ao chuletón. A carta inclui ainda alguns petiscos, bem como pregos e hambúrgueres servidos no bolo do caco.
Quando abriu? Fevereiro de 2016
Quanto se paga? 20 a 25€ por pessoa

Restaurante Butchers

Café Colonial

Memmo Príncipe Real, Rua Dom Pedro V, 56 (Príncipe Real). 96 184 4248. Todos os dias, das 12h30 às 15h e das 19h às 22h (de quinta a sábado até às 23h). www.memmohotels.com/principereal/cafe-colonial

O que é? Uma viagem transatlântica pelos sabores das antigas colónias portuguesas, adaptados à cozinha dos dias de hoje, com o chef Vasco Lello (ex-Flores do Bairro) ao leme. A vista para Lisboa, a partir da colina de São Roque, ajuda à digestão. O restaurante faz parte do hotel Memmo Príncipe Real.
O que se come? A carta aposta forte nos petiscos e entradas (como as asinhas de frango fritas com molho piripíri, quiabos e amendoim ou os kefta de borrego) mas também tem sugestões mais substanciais, da vazia maturada a um bacalhau de inspiração oriental, servido com pak choi, manteiga de miso e cogumelos shitake.
Quando abriu? Outubro de 2016
Quanto se paga? 25 a 35€ por pessoa

extra - memmo preal - Café Colonial jpg

Café Garrett

Teatro D.Maria II, Praça D. João da Câmara (Rossio). 21 193 3532. De terça a domingo, das 12h às 00h. facebook.com/CAFE-Garrett

O que é? O primeiro projeto em Lisboa de um arquiteto que se fez chef, Leopoldo Garcia Calhau. Depois de dois anos n’A Sociedade (recentemente encerrado), na Parede, Leopoldo aceitou o desafio de criar e tornar bem sucedido um restaurante no interior do Teatro Dona Maria II, em Lisboa.
O que se come? A cozinha de Leopoldo aposta na simplicidade, combinando, no máximo, três ou quatro ingredientes. A carta inclui uma quantidade assinalável de petiscos (alheira, ovo e maçã, por exemplo, ou morcela, abacaxi e tomilho, entre outros), além de alguns pratos mais substanciais de peixe e carne, sem esquecer as sobremesas caseiras, entre elas um pudim de noz que faz sucesso desde os tempos d’A Sociedade. Há menu executivo, ao almoço (17,50€) e outro em dias de teatro (19€).
Quando abriu? Maio de 2016
Quanto se paga? 20 a 30€ por pessoa

CAFÉ GARRETT TP15

Chévere

Avenida 5 de Outubro, 36 (Saldanha). 308 809 277. De segunda a sábado, das 12h30 às 15h e das 19h às 00h. facebook.com/cheverebistrohouse

O que é? Uma petisqueira com uma esplanada muito apetecível — até no inverno, graças ao aquecimento — onde quase tudo o que se serve chega à mesa em tábuas, para incentivar a partilha.
O que se come? Tibornas, croquetes, tártaros, mini-hambúrgueres, saladas, ovos com farinheira e outros petiscos típicos deste género de estabelecimento. Ao fim de semana servem brunch.
Quando abriu? Junho de 2016
Quanto se paga? 15 a 25€ por pessoa

CHEVERE

Costa do Malabar

Rua Rosa Damasceno, 6A (Alameda). 21 093 2433. Todos os dias, das 11h30 às 15h e das 18h30 às 22h30. www.costadomalabar.com

O que é? Um restaurante indiano que pouco tem a ver com a grande maioria dos restaurantes indianos que se encontram em Lisboa. A diferença? A geografia: a cozinha do Costa do Malabar é típica do sul da Índia, sobretudo da região de Kerala, mas também das de Tamil Nadu, Andhra Pradesh, Karnataka e Telangan.
O que se come? Muita coisa, que o menu é extenso. Alguns exemplos: dosa, um crepe de arroz e lentilhas que pode ser recheado de diversas formas; puttu, um cilindro de arroz, cozido a vapor, com camadas de coco: utthapam, o nome que dão à pizza indiana. Há ainda várias receitas com mandioca, caris feitos à moda de Kerala e outros pratos de peixe e marisco.
Quando abriu? Julho de 2016
Quanto se paga? 12€ a 20€ por pessoa

COSTAMALABARDR24

Delfina Cantina Portuguesa

Hotel Almalusa, Praça do Município, 21 (Baixa). 21 269 7445. Todos os dias, das 07h30 às 23h30. facebook.com/restaurantedelfina

O que é? É um projeto de António Oliveira e Silva, empresário com pergaminhos na área, ligado a projetos como o antigo DeCastro Elias (atual Elias 180), Este Oeste ou Casavostra, no Algarve. Aqui com uma abordagem ligeiramente diferente, já que se trata de um restaurante inserido num hotel.
O que se come? Diversos pratos e petiscos de matriz tradicional, sobretudo no caso dos arrozes e açordas. Há algumas (poucas) exeções, como as gyozas ou o caril da Malásia.
Quando abriu? Março de 2016
Quanto se paga? 20 a 25€ por pessoa

DELFINA

El Bulo

Praça David Leandro da Silva, 9A (Marvila). 21 861 9027. De terça a sábado, das 12h às 02h. http://elbulo.pt

O que é? É, em primeiro lugar, o regresso a Lisboa do chef argentino Chakall, conhecido por nunca dispensar o uso do turbante. Não é apenas um restaurante clássico, Chakall chama-lhe um “social club”, instalado no centro de uma zona em expansão, Marvila, dentro de um antigo armazém com mais de 700 metros quadrados.
O que se come? Como se esperaria, grande parte da carta tem inspiração sul-americana: conte-se com ceviches, empanadas, papas, bifes argentinos — no prato e não só — e também com o clássico polvo à Oaxaca, que o chef celebrizou no antigo Quinta dos Frades (atual Volver de Carne y Alma).
Quando abriu? Janeiro de 2016
Quanto se paga? 20 a 30€ por pessoa

ELBULO (1)

Forneria

Via do Oriente, 16E (Parque das Nações). 93 329 4274. De terça a domingo, das 12h às 15h30 e das 19h às 23h. www.pizzariaforneria.pt

O que é? Um projeto de dois amigos de longa data apaixonados por pizzas. Conta com o ex-pizzaoiolo do Casanova, Vítor Cunha, bons produtos italianos e um forno que viajou desde Nápoles até ao extremo norte do Parque das Nações.
O que se come? Se é uma pizzaria comem-se pizzas, ora essa. Umas mais simples outras menos e que podem ser servidas em massa integral, caso o cliente assim queira. O menu inclui ainda antipasti, à base de queijos e enchidos DOP italianos, hambúrgueres envoltos em massa de pizza e uma secção pequena de pasta.
Quando abriu? Setembro de 2016
Quanto se paga? 15 a 20€ por pessoa

FORNERIA TP00028 (1)

Gioia Food Lab

Praça da Alegria, 50 (Avenida da Liberdade). 21 139 3086. De segunda a sexta, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h. Sábados das 19h30 às 23h30. www.gioiafoodlab.com

O que é? Um restaurante que não tem propriamente um conceito ou um género culinário definido, mas que, por outro lado, tem consciência e uma missão definida: combinar sabor, excelentes produtos e valor nutricional à mesa.
O que se come? A carta do chef Daniel Estriga é muito versátil: inclui, por exemplo, um tártaro de novilho com pickle de pak-choi e sementes de mostarda bringidas, um ceviche de lírio, um risotto de acelgas, ervilhas e clorofila, uma secção de pizzas muito leves, feitas com farinha de espelta e kamut, ou ainda as chamadas gioias do laboratório, casos do bacalhau a 67º e da carne maturada a 60 dias.
Quando abriu? Outubro de 2016
Quanto se paga? 30 a 40€ por pessoa

Pata Negra 24 Meses_ pata negra, tomate, mozarella fresca, espargos, rúcula

Il Matriciano al Mare

Rua de São Bento, 97-99. 935 803 867. De terça a sábado, das 12h30 às 15h e das 20h às 23h30. facebook.com/ilmatricianoalmare

O que é? Um spin-off do restaurante Il Matriciano, neste caso dedicado especificamente aos produtos marítimos, cozinhados como manda a lei italiana.
O que se come? Se é al mare, é de peixe e marisco que se trata. Exemplos: carpaccio de robalo e trufas ou de atum nos antipasti, ravioli de tamboril com tomate cherry e alcaparras e risotto com creme de lagostim e laranja nos primi piatti, e peixe espada à siciliana ou lulas recheadas nos secondi. Para sobremesa é indispensável provar os gelados de fruta, servidos na própria casca, e que chegam, todas as semanas, de Salerno.
Quando abriu? Julho de 2016
Quanto se paga? 20 a 25€ por pessoa

IL MATRICIANO AL MARE TP13

Kokoro Ramen

Avenida Rovisco Pais, 30A (Arroios). 21 197 4713. De segunda a sábado, das 12h às 14h30 e das 19h30 às 22h. facebook.com/kokororamen

O que é? Um ramen bar dedicado à famosa sopa de origem japonesa, num espaço pequeno e minimalista, tal como o respetivo menu, perto do Instituto Superior Técnico.
O que se come? Há apenas três tipos de ramen, com caldos de frango, porco ou vegetariano, bem servidos. A massa é fresca e caseira.
Quando abriu? Abril de 2016
Quanto se paga? 10 a 15€ por pessoa

KOKORORAMEN

Koppu

Rua Gustavo Matos Sequeira, 30 (Príncipe Real). 21 390 0043. De terça a sábado das 19h às 00h (sexta e sábado até às 01h) facebook.com/koppujapones

O que é? Tal como o exemplar acima, é um restaurante japonês onde o peixe cru não consta da ementa. Mais uma vez, a especialidade é ramen.
O que se come? Apesar da especialidade ser ramen, aqui há bastante mais por onde escolher, das entradas (onde se incluem gyosas e bao, por exemplo), aos diferentes tipos de massas orientais, como yakisoba ou yaki udon.
Quando abriu? Abril de 2016
Quanto se paga? 15 a 20€ por pessoa

KOPPU TP7

L’Artusi

Rua do Merca-Tudo, 4 (São Bento). 21 396 9368. De terça a sábado das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h. Domingos das 19h30 às 23h. www.lartusiristorante.com

O que é? Um restaurante tradicional italiano baseado no manual centenário de Pellegrino Artusi, “A Ciência na Cozinha e A Arte de Comer Bem”.
O que se come? “Aqui percebe-se que a comida italiana não é só pasta e pizze”, dizem os responsáveis. A provar a afirmação estão pratos como língua de vitela com molho picante (14€), caldeirada à livornese (18€), empadão de pombo (18€) ou o chamado assado morto com cheirinho a alho e alecrim (18€). Ao todo o manual de Artusi inclui 790 receitas, que os responsáveis vão rodando. Ao almoço há menus especiais.
Quando abriu? Maio de 2016
Quanto se paga? 15€ (almoço) a 35€ (jantar) por pessoa

LARTUSI1

Miss Jappa

Praça do Príncipe Real, 5A. 21 137 9763. De terça a sexta das 12h30 às 15h e das 19h30 às 00h. Sábado e domingo das 12h30 às 00h (sexta e sábado até à 01h). facebook.com/missjappa

O que é? Um restaurante japonês com a chancela Go Natural, o primeiro da marca noutro contexto que não o da comida saudável e, quase sempre, de centro comercial. Aos comandos está a chef Anna Lins (ex-Umai e Izakaya).
O que se come? A ementa divide-se em cinco secções, excluindo sobremesas: Japanese Junk Food, Old Timers, Atarashi – New Timers, Do Sushi Bar e Quentes. Trocando por miúdos: entradas, clássicos, pratos mais modernos, criações de sushi e pratos quentes. Tudo idealizado para combinar com cocktails criados por Dave Palethorpe do Cinco Lounge.
Quando abriu? Fevereiro de 2016
Quanto se paga? 15€ (almoço) a 30€ (jantar) por pessoa

VE1U3236

Monte Mar Lisboa

Rua da Cintura, Armazém 65 (Cais do Sodré). 21 322 0160. De terça a domingo, das 12h às 23h. www.montemarrestaurante.com

O que é? A versão lisboeta, à beira-rio, de um clássico da estrada do Guincho, conhecido, sobretudo pelos filetes de pescada com arroz de berbigão.
O que se come? Além desses famosíssimos filetes, comem-se outras espécies de peixe, grelhado ou ao sal, além de outras receitas quase seculares, caso dos escalopes à vienense ou das iscas à portuguesa.
Quando abriu? Fevereiro de 2016
Quanto se paga? 35 a 40€ por pessoa

MONTEMAR LISBOA DR

Muito BEY

Rua da Moeda, 4A (Cais do Sodré). 21 158 0788. De segunda a sábado, das 12h às 15h e das 19h às 00h (sexta e sábado até à 01h). facebook.com/MuitoBEY

O que é? BEY é o acrónimo do aeroporto de Beirute e “muito bem” é a expressão em português que o libanês Ezzat Ellaz, dono do restaurante, mais gosta de ouvir. Assim, o Muito Bey é aquilo que se pode entender como uma petiscaria libanesa.
O que se come? A carta foi desenhada pela chef Barbara Massaad, autora de inúmeros livros. A principal componente são os mezze, o equivalente libanês dos petiscos. Podem ser frios ou quentes e vão das pastas como humús (grão), mutabal (beringela) ou labné (iogurte), para barrar no manuché (pão árabe) caseiro até aos falafel (almôndegas fritas de grão e favas), makanek (salsichas de vaca temperadas com molho de romã) ou kibbé (croquetes de vaca com pinhões), entre outros.
Quando abriu? Outubro de 2016
Quanto se paga? 15€ (almoço) a 20€ (jantar) por pessoa

Muito BEY 2059

Nómada

Avenida Visconde de Valmor, 40A (Saldanha). 91 777 9737. De segunda a sábado, das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 23h30. http://nomadalisboa.com

O que é? Um projeto de dois antigos chefs do Sushic, cujo objetivo primordial foi adaptar o melhor da cozinha japonesa ao paladar português.
O que se come? Os cones crocantes com atum marinado e cebola confitada em vinho do porto partilham o destaque com os combinados tradicionais de 18 peças ou com as vieiras com puré de guacamole. Mas isto são apenas exemplos, também há sugestões que vão mudando diariamente e até outros pratos mais substanciais, casos do borrego com molho árabe e legumes ou do mil-folhas de salmão com legumes em manteiga de alho.
Quando abriu? Agosto de 2016
Quanto se paga? 20€ (almoço) a 35€ (jantar) por pessoa

nómada, nomada, sushi, restaurante, japonês, comida, lisboa, food, japão, cozinha, tradicional, sushic,

O Asiático

Rua da Rosa, 317 (Príncipe Real). 21 131 9369. Todos os dias, das 12h30 às 17h e das 19h às 00h. facebook.com/OAsiaticoChefKiko

O que é? Kiko Martins chama-lhe uma viagem gastronómica pela Ásia — mas pelos seus olhos — do Nepal ao Japão. É o seu terceiro restaurante em Lisboa depois d’ O Talho e A Cevicheria.
O que se come? Entre os pratos principais contam-se, por exemplo, rosbife tailandês, surf and turf coreano, que mistura espuma de ostras e tártaro de novilho, ou um pho vietnamita com rabo de boi e wagyu. Não falta, também, o muito em voga bao, aqui com barriga de porco confitada e kimchi. N’O Asiático o caril, curiosamente, serve-se à sobremesa. E resulta.
Quando abriu? Outubro de 2016
Quanto se paga? 30 a 40€ por pessoa

O_Asiatico_Interiores-25bf

Os Gazeteiros

Rua das Escolas Gerais, 114 (Alfama). 21 886 0399. Terça e quarta das 19h30 às 22h. De quinta a sábado das 12h às 14h e das 19h30 às 22h. http://osgazeteiros.pt/

O que é? Uma pequena casa em Alfama onde são protagonistas os produtos e vinhos biológicos,
O que se come? Não há, propriamente, uma ementa: tudo depende do que o chef e proprietário David Eyguesier trouxer do mercado essa manhã. As opções estão assinaladas num quadro de ardósia e servidas em formato menu degustação de três e quatro pratos, respetivamente ao almoço e jantar.
Quando abriu? Abril de 2016
Quanto se paga? 15€ (almoço) a 25€ (jantar) por pessoa

GAZETEIROS985 (1)

Palácio Chiado

Rua do Alecrim, 70 (Chiado).21 010 1184. Todos os dias, das 12h às 00h (sexta e sábado até às 02h). palaciochiado.pt

O que é? A reconversão do Palácio Quintela numa espécie de food court 2.0, com vários restaurantes e conceitos distribuídos pelos seus dois andares.
O que se come? De tudo um pouco: sushi, carnes maturadas, pratos de bacalhau, petiscos tradicionais, marisco, comida saudável… é escolher.
Quando abriu? Março de 2016
Quanto se paga? 15€ a 60€ por pessoa

Palácio Chiado (1)

Pap’Açorda

Mercado da Ribeira, Avenida 24 de Julho, 49 (Cais do Sodré). 21 346 4811. De terça a domingo, das 12h às 00h (de quinta a sábado até às 02h). http://papacorda.com/

O que é? A transplantação para o primeiro piso do Mercado da Ribeira de um dos mais clássicos restaurantes do Bairro Alto, que marcou, como muito poucos, a cidade no início dos anos 80.
O que se come? Todos os clássicos que se comiam no Bairro Alto, dos pastéis de massa tenra ao arroz de cabrito no forno, sem esquecer as açordas, claro (a real e a de gambas) ou a mousse de chocolate Pap’açorda — essa instituição lisboeta –, cuja fama também se deve à forma como é servida, na mesa, diretamente da enorme tigela de inox.
Quando abriu? Março de 2016
Quanto se paga? 25 a 35€ por pessoa

PAPACORDA3294

Pizza Vignoli

Praça das Flores, 40 (Príncipe Real). 21 395 1731. De terça a domingo, das 18h30 às 23h30.
www.facebook.com/pizzavignolilx

O que é? Uma pizzaria que não é de inspiração 100% italiana: tem uma percentagem significativa de sotaque brasileiro, tal como o seu chef e responsável Claudio Vignoli.
O que se come? Pizzas de massa que é muitíssimo fina e estaladiça, e que, segundo os responsáveis, não leva ovos, leite ou gordura hidrogenada. Algumas das opções são bastante invulgares ao nível do recheio — há pizzas de bacalhau desfiado, salmão fumado com trufas ou polvo.
Quando abriu? Maio de 2016
Quanto se paga? 20 a 25€ por pessoa

25416392

Rice Me

Rua Carlos Testa, 18A (São Sebastião). 91 477 0741. De segunda a sábado, das 12h às 00h. http://riceme.pt

O que é? Um restaurante/cafetaria cuja oferta alimentar gira, exclusivamente, em volta do arroz. E isso é válido tanto para os petiscos e pratos principais como para a pastelaria, que aposta em algumas opções vegan e sem glúten.
O que se come? Não falta variedade, tanto se pode seguir a via oriental e optar por dim sum ou massa de arroz como fazer uma refeição mais tradicional, com canja e, por exemplo, arroz de pato. Também há sugestões diárias, casos do arroz de polvo aos sábados ou do bacalhau à quarta-feira.
Quando abriu? Fevereiro de 2016
Quanto se paga? 10 a 20€ por pessoa

RICEME TP13

Segundo Muelle

Praça Dom Luís I, 30, Loja 4B (Cais do Sodré). 93 116 9158. De domingo a quinta das 12h às 00h. sextas, sábados e vésperas de feriados das 12h à 01h. www.segundomuelle.com

O que é? A sucursal lisboeta daquela que é, possivelmente, a mais famosa e expandida cadeia de comida peruana, com 18 restaurantes espalhados por seis países: Peru, Equador, Costa Rica, Panamá, Espanha e agora Portugal, pela mão do Grupo Portugália.
O que se come? A típica comida peruana, dos ceviches à causa, dos tiraditos aos tártaros, dos makis ao risotto, que pode ser de arroz ou quinoa, sem esquecer as sobremesas, onde pontifica uma bomba de doçura e calorias, o suspiro a la limeña.
Quando abriu? Agosto de 2016
Quanto se paga? 25 a 30€ por pessoa

Segundo_Muelle_ (4)

têzero

Avenida de Roma, 83 (Alvalade). 915 315 065. De terça a sábado, das 12h às 15h e das 19h30 às 23h. Domingo das 12h30 às 15h30. facebook.com/tezerobybmuu

O que é? Tem origem numa marca de hambúrgeres, a b.muu, mas é muito mais que uma simples hamburgueria. Isso vê-se tanto no espaço de decoração cuidada, onde se inclui um pátio bastante apetecível, como na ementa.
O que se come? Se tudo começou nos hambúrgueres, é apenas natural que eles façam parte do leque de opções. E fazem. Mas há bem mais por onde escolher: do bacalhau fresco com edamame à tagine de cordeiro com cuscuz.
Quando abriu? Setembro de 2016
Quanto se paga? 10€ (almoço) a 20€ (jantar) por pessoa

tezero342

The Sandeman Chiado

Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 27-28 (Chiado). 93 785 0068. Todos os dias, das 11h30 à 00h. facebook.com/thesandemanchiado

O que é? Um bar e restaurante da Sandeman cuja principal missão é conseguir ligar os vinhos da marca à comida e aos cocktails. Pela descrição pode parecer coisa para turistas. Mas não, o objetivo dos responsáveis foi mesmo chegar aos lisboetas.
O que se come? A carta foi definida por dois chefs bem conhecidos no Porto, Luís Américo (Cantina 32) e João Pupo Lameiras (Casa de Pasto da Palmeira). Trabalha alguns produtos em vários contextos. Por exemplo as vieiras: tanto podem chegar à mesa num caril thai com maçã verde, com puré de couve-flor e ovo a baixa temperatura, ou com puré de cebola negro e presunto de porco preto. Já o rosbife tem como opções o rábano picante e jus de carne, alioli, sriracha e batatas fritas ou puré de aipo, maçã e amêndoas. E há outros produtos e opções.
Quando abriu? Junho de 2016
Quanto se paga? 20 a 30€ por pessoa

SOGRAPE_CHIADO_JOSE_CAMPOS_0013

Trio

Rua Dom Francisco Manuel de Melo, 36-38 (Marquês de Pombal). 912 087 901. De terça a sexta, das 12h30 às 14h30 e das 19h30 às 22h30. Sábado das 19h30 às 22h30. facebook.com/restaurantetrio

O que é? O primeiro restaurante em nome próprio do jovem chef Manel Lino, que se estreou em Lisboa como consultor no Tabik. O nome da casa deve-se, segundo o próprio, à atenção dada a três factores: produto, staff e serviço.
O que se come? A cozinha de Manel Lino é, como o próprio define, livre e de mercado. Ou seja, o chef gosta de trabalhar sem estar propriamente dependente de uma carta, embora a tenha. Destaque para dois pratos que serviu nestes primeiros meses de vida da casa: a corvina com couve e mousse de sardinha e a batata com essência de isca e pickle de cebola, como se em vez das iscas com elas, servisse uma espécie de elas sem iscas.
Quando abriu? Julho de 2016
Quanto se paga? 40 a 70€ por pessoa

TRIO TP5

Villa Tamariz Utopia

Praia do Tamariz (Estoril). 91 012 7990. De quarta a domingo das 19h às 23h. penhalonga.com

O que é? Um conceito desenvolvido pelo resort Penha Longa no histórico palacete em frente à praia do Tamariz que albergou, em tempos, um dos primeiros restaurantes japoneses em Portugal, o Furusato.
O que se come? A provar que o arroz é uma das grandes tendências de 2016, a ementa do Villa Tamariz Utopia também se centra no dito cereal, servido na paella, na fidéua (a parente valenciana da paella) ou no tacho. Aqui varia, sobretudo, a matéria-prima que o acompanha: são opções o marisco, o pato, o carabineiro, o choco ou o lavagante, entre outras
Quando abriu? Julho de 2016
Quanto se paga? 30 a 50€ por pessoa

La_Villa_detalhe-34

Zé Varunca

Travessa das Mercês, 16 (Bairro Alto). 21 015 1279. De segunda a sábado, das 12h às 15h e das 19h às 23h. facebook.com/restaurantezevarunca

O que é? O regresso a Lisboa, depois de um ano de sentida ausência, de um dos maiores ícones da comida alentejana fora do Alentejo.
O que se come? Das entradas é imperativo referir os casadinhos (fritos de batata e paio ou salpicão) e os papa ratos (massa de farinheira fresca frita), tal como a pasta de enchidos para barrar no pão quente. Depois, há uma ementa fixa com boa parte dos clássicos da casa: açordas, migas, burras, pezinhos de coentrada, entre outros. No menu de almoço diário vão aparecendo, regularmente, alguns dos outros clássicos da casa, como o arroz de pato ou o cozido de grão.
Quando abriu? Maio de 2016
Quanto se paga? 10€ (almoço) a 20€ (jantar) por pessoa

ZE VARUNCA TP19