Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Houve um tempo em que Walt Disney era visto como um revolucionário do cinema, elogiado por nomes como Salvador Dalí, Leni Riefenstahl, Igor Stravinsky ou Sergei Eisenstein, e os seus desenhos animados eram aclamados e premiados até na Rússia comunista. Eisenstein era um admirador fervoroso. Visitou Disney e os seus estúdios em Hollywood em 1930, e os dois realizadores ficaram amigos. O autor de “Ivan, o Terrível”, um filme onde a influência da animação de Disney é clara e reconhecida por Eisenstein, escreveu sobre ele e considerava-o “a maior contribuição dos Estados Unidos da América para as belas-artes”, e os seus filmes “os de apelo mais universal que já vi”. Convém recordar isto a uma geração que associa o nome de Walt Disney apenas a uma marca global, aos parques de diversões e a um conglomerado de entretenimento de massas que é dono da Pixar, da Marvel, dos Marretas e da Lucasfilm, e da qual os estúdios de animação são apenas uma parte.

Walt Disney, que morreu há 50 anos, foi um inovador e um gigante do cinema, que fez uma revolução técnica, narrativa, estética, cultural e industrial na animação, aliando a visão artística ao espírito de iniciativa capitalista e resgatando-a ao seu cantinho de diversão marginal e artisticamente menor. Nele coexistiam o artista, o homem de ideias e o empresário. Disney geria e inspirava grandes equipas de desenhadores animadores e (recordemos apenas Ub Iwerks, com o qual criou o coelho Oswald e o rato Mickey, ou os lendários “nine old men”, o núcleo duro de nove colaboradores mais próximos, como Ward Kimball, Ollie Johnston ou Frank Thomas), que conceberam longas e curtas-metragens que são hoje clássicos do cinema animado e criaram uma enorme quantidade de personagens imortais, que se expandiram para os “comics” e para a televisão, do pato Donald a Pluto, de Pateta ao Professor Pardal.

https://youtu.be/VGwnWb2gsv8

Reduzir Walt Disney a um mero “fornecedor de entretenimento familiar sensaborão”, como escreveu Leonard Maltin, seu biógrafo e um dos seus grandes defensores, é tão reducionista como considerar que o cinema de animação começa e acaba com ele. É verdade que o Disney artística e tecnicamente arrojado (“Branca de Neve e os Sete Anões” foi, em 1937, a primeira longa-metragem animada americana, concebida como se de uma grande produção de imagem real se tratasse; “Fantasia”, de 1940, é um filme avançadíssimo para o seu tempo, do uso da música à influência da arte moderna; e as curtas da série Silly Symphonies são um espaço de experimentalismo, tendo estreado o Technicolor na animação) e contador de histórias visuais com alcance universal, é também o Disney do sentimentalismo, do antropomorfismo “cute” e de um conformismo conservador e cândido muito americano. Mas é precisamente isso que faz dele uma personagem tão especial e tão única na história do cinema, da animação, da cultura e da indústria do entretenimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A sua obra no cinema animado tem um pé firmemente assente no modo americano de ser, de fazer e de olhar o mundo, expresso nas personagens que criou. Sendo o rato Mickey a maior, mais significativa e característica, na qual o público americano se identificou e reviu instantaneamente, e também instantaneamente saltou fronteiras, tornando-se uma personagem de agrado universal. O outro pé repousa no universo dos contos populares, das lendas e do grande património literário da velha Europa, que Walt Disney, leitor dos clássicos e fascinado pela arte, pelos monumentos, pelas tradições literárias e pelas paisagens do continente europeu, foi minerar, revitalizar e retransmitir (embora também, e inevitavelmente, simplificando-as e edulcorando-as) com toda a arte, energia, criatividade e alegria da sua poderosa máquina cinematográfica de fabricar fantasia.

A partir de meados dos anos 50, e como escreve o citado Leonard Maltin, as exigências comerciais do império que entretanto tinha erguido, e a necessidade de fornecer entretenimento familiar mais rapidamente e em cada vez maior quantidade, fizeram com que Walt Disney se dedicasse “a uma série de filmes de imagem real e à criação da Disneylândia [inaugurada no Verão 1955] e do programa de televisão que a ia promover. A criatividade continuou a ser uma característica das curtas, médias e longas-metragens que saíam do seu estúdio, mas a audaciosa era da experimentação tinha acabado”. E o primeiro desenho animado sonoro sincronizado, “Steamboat Willie” (1928), com Mickey e Minnie era já história.

Mas não é por acaso que a última grande animação da Disney antes dos anos de crise criativa dos estúdios, e da nova era sob a batuta de Jeffrey Katzenberg, no final da década de 80, tenha sido “O Livro da Selva”. A derradeira supervisionada por Walt Disney, e concluída e estreada em 1967, após a sua morte. Até ao fim, Walter Elias Disney, o mago industrial que juntou o sucesso criativo ao sucesso financeiro, sempre soube o que estava a fazer,