Depois da Califórnia, do Nevada e da Flórida, também o Michigan acaba de dar um passo rumo à utilização dos veículos autónomos no dia-a-dia. Depois de já terem permitido a realização de testes com este tipo de veículos, em ambiente controlado, as autoridades deste estado norte-americano acabam de legalizar a utilização deste tipo de veículos, nas estradas públicas, sem que tenham sequer de apresentar volante ou pedais para possíveis situações de emergência.

Segundo avança a US Fortune, a aprovação da nova legislação por parte do governador do Michigan, Rick Snyder, visa voltar a colocar este estado na liderança do desenvolvimento do veículo autónomo.

O novo pacote de leis, composto pelos decretos 995, 996, 997 e 998, vem dar enquadramento legal aos ensaios, utilização e eventual futura venda de veículos autónomos e respectivas tecnologias no Michigan. Ao mesmo tempo que define o tipo de utilização que pode ser feita com este tipo de automóveis na via pública.

Ao abrigo desta nova legislação, os fabricantes automóveis vão assim poder testar, sem restrições, veículos de condução autónoma, mesmo quando não equipados com volante ou pedais. Algo que o estado da Califórnia, por exemplo, não permite.

Segundo avança a US Fortune, com base em fonte das autoridades do Michigan, este novo pacote legislativo foi elaborado com o contributo de fabricantes como a Fiat Chrysler Automobiles (FCA), a Ford Motor Company, a General Motors e a Toyota Motors, assim como de empresas como a Uber ou a Lyft. Contudo, a Uber veio já manifestar o seu desacordo com o decreto 996, o qual estipula que só os “fabricantes automóveis” podem participar no projecto SAVE, o qual passa pela disponibilização e gestão de uma frota de táxis sem condutor.

Pelo contrário, fabricantes como a Ford mostram-se especialmente satisfeitos com o novo pacote legislativo. O director de Segurança Automóvel da marca da oval, Wayne Bahr, considera mesmo que estas leis vão “desempenhar um papel primordial” nos esforços que a Ford está a empreender “para ter pronto um veículo totalmente autónomo, sem acelerador, travões ou volante, que possa ser utilizado para fins comerciais, em áreas pré-definidas, em 2021”.