Banda Desenhada

Primeiro museu de banda desenhada em Portugal vai nascer em Beja

492

A autarquia de Beja quer abrir o primeiro museu em Portugal dedicado à banda desenhada, uma iniciativa que pretende promover a arte no país. Projeto ainda não tem data de abertura.

Portugal é um dos poucos países da Europa Ocidental que não tem um museu dedicado à BD

MICHAEL M. MATIAS/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro museu em Portugal dedicado à banda desenhada vai nascer em Beja, num projeto do município para contar a história da nona arte mundial desde 1850 até à atualidade, com especial destaque para a portuguesa. A abertura ainda não tem data.

Paulo Monteiro, responsável pelo projeto e técnico da Câmara de Beja, explicou à Agência Lusa a importância que “o museu tem diversos graus de importância”, começando pelo facto de “ser realmente o primeiro museu de banda desenhada em Portugal”.

Segundo o também diretor da Bedeteca e do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, o museu vai “ocupar um espaço que era importante preencher” em Portugal, “o único país da Europa Ocidental” que não tem um museu dedicada à BD. Por outro lado, frisou, o museu vai permitir reunir “uma parte significativa” do acervo português de banda desenhada, que é “fantástico”, porque Portugal “foi dos primeiros países do mundo a ter banda desenhada”.

Um museu para promover a BD portuguesa

A primeira história de banda desenhada publicada em Portugal, de António Nogueira da Silva, data de 1850 e, desde então, têm aparecido no país autores “incríveis, com movimentos muito importantes no contexto da banda desenhada europeia e mundial, que, no fundo, dão corpo a uma história da banda desenhada riquíssima e com pouco paralelo noutros países da Europa”.

Portugal tem uma “história fantástica” ao nível da banda desenhada e um dos autores pioneiros da nona arte portuguesa e europeia é Rafael Bordalo Pinheiro, o autor da personagem satírica de crítica social Zé Povinho, que se tornou um símbolo do povo português, lembrou. “A ideia é contar a história da banda desenhada no mundo, desde 1850 e até à atualidade, dando especial importância à banda desenhada portuguesa.”

Isto porque o acervo do museu será constituído na sua maioria por obras originais de autores portugueses, que já existem na Bedeteca de Beja ou que serão doadas. O museu terá também “muitas obras” de autores estrangeiros, nomeadamente de franceses, italianos, espanhóis, brasileiros e argentinos.

O museu vai ainda ajudar a “promover a nona arte” e trazer “visibilidade e estatuto” à banda desenhada e aos seus autores, o que “é necessário numa arte que durante muito tempo foi secundarizada em relação a outras”. “Não será um museu estático”, porque terá uma “forte componente multimédia”.

Este irá acolher a Bedeteca de Beja, atualmente a funcionar na Casa da Cultura, disponibilizar aos interessados espaços de trabalho e galerias para exposições temporárias e promover ateliês, nomeadamente de banda desenhada, serigrafia e ilustração, “A ideia é criar um museu que seja também um polo de atração” de artistas de banda desenhada, explica, referindo que “não é um equipamento para servir só o concelho” de Beja, “mas também para servir um bocadinho todo o país”.

Segundo a autarquia, a cidade de Beja, onde desde 2005 há uma bedeteca, uma das poucas em Portugal e a única no sul do país, afirma-se como “um dos principais centros” de difusão da “nona arte” em Portugal. A cidade “já tem tradição e está muito ligada” à banda desenhada e, por isso, a Câmara de Beja decidiu criar o museu para “reconhecer o trabalho que tem sido feito pelo município” no âmbito da banda desenhada e “criar outras dinâmicas e aproveitar tudo o que tem a ver” com esta arte, contou à Lusa o presidente da autarquia, João Rocha.

O museu vai ser instalado num edifício propriedade do município e situado na rua Dr. Afonso Costa, vulgarmente conhecida como rua das Lojas, no centro histórico de Beja. Neste sentido, a criação do Museu da Banda Desenhada vai também “ao encontro” da estratégia da Câmara de Beja de promoção, dinamização e valorização económica do centro histórico da cidade, frisou o autarca, referindo que o município está a trabalhar no projeto e ainda não definiu o investimento necessário nem uma data para a criação do museu avançar no terreno.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)