Os portugueses consomem 4,4 vezes mais carne, ovos e peixe que o necessário, o que prejudica a saúde, o ambiente e o orçamento familiar, alertaram os ambientalistas da Zero, defendendo a opção por leguminosas.

“Verificamos que os portugueses consomem 4,4 vezes acima daquilo que seria necessário deste componente, da carne, ovos e pescado”, disse à Agência Lusa Susana Fonseca, da Zero. Num ano, “devíamos consumir à volta de 33 quilogramas do conjunto de carne, ovos e pescado, mas estamos a consumir muito acima disso — cerca de 178 quilogramas, ou seja 145 quilogramas a mais”, avançou a especialista, realçando que na saúde “o excesso de proteína” pode causar “vários problemas e não é de todo benéfico em termos ambientais”.

No final deste Ano Internacional das Leguminosas e numa época festiva “que tende a propiciar exageros de alimentação”, a Zero analisou as recomendações da Direção Geral de Saúde para o consumo de carne, ovos e peixe e comparou com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre as quantidades destes produtos na alimentação dos portugueses.

“Para produzir uma quilocaloria de carne de vaca, por exemplo, precisamos de 174 quilocalorias”, principalmente de alimentos para os animais, “o que é mais do que o necessário quando são consumidos alimentos vegetais e leguminosas”, justificou Susana Fonseca.

Também no consumo de carne, o impacto em termos de consumo de água é 100 vezes superior àquele que é necessário para produzir leguminosas, além de implicar mais emissões de metano, um gás com efeito de estufa que agrava as alterações climáticas. As leguminosas, como o feijão, grão, lentilhas, favas ou ervilhas, fazem parte da dieta mediterrânica e da cultura gastronómica portuguesa, são, segundo a Zero, “uma excelente fonte de proteína e podem ser usadas como alternativa a este consumo de proteína animal”.

Para o orçamento familiar, “fica mais caro [o consumo de carne] e sabemos que a componente de proteína é das que acaba por ter mais peso” na despesa com a alimentação, especificou a especialista da Zero. Assim, “estamos a desperdiçar dinheiro, estamos a consumir proteína que nos está a fazer mal, está a fazer mal ao ambiente e está a retirar-nos recursos financeiros”, resumiu.

A Zero listou algumas mudanças que podem fazer a diferença e facilitar a mudança para o consumo de leguminosas, começando por uma alteração das políticas públicas, embora exista um plano para uma alimentação saudável, “que é importante”, e a Direção Geral de Saúde tenha vindo a fazer um “trabalho interessante” nesta área.

Na lista de propostas da Zero está o trabalho com as escolas, nomeadamente nas cantinas, para que as porções servidas respeitem o princípio das leguminosas e haja maior disponibilidade de refeições de base vegetariana.

A sensibilização e informação aos consumidores, por exemplo, acerca da forma de produção da carne (como já acontece com os ovos), a criação de incentivos para o cultivo de leguminosas, até porque Portugal, porque não é autónomo nestes produtos e “uma parte significativa é importada”, a par com a redução dos apoios à produção intensiva de carne, canalizando estes recursos para formas de agricultura mais amigas do ambiente, são outras mudanças apontadas.

“Se consumirmos só a proteína animal de que precisamos, gastamos menos dinheiro e vamos ter uma parte do rendimento disponível para comprar com maior qualidade”, salientou Susana Fonseca.