Costinha; Oceano (cap), Marco Aurélio, Naybet e Nélson; Pedro Martins; Dominguez, Sá Pinto, Pedro Barbosa e Amunike; Paulo Alves. É o onze do Sporting na primeira visita de Jorge Jesus a Alvalade, ao serviço do Felgueiras. Só para nos situarmos, estamos em Dezembro e joga-se a 14.ª jornada do campeonato 1995-96, o primeiro de sempre em que a vitória vale três pontos e as camisolas têm o nome dos jogadores nas costas. A vida, como a bola, dá muitas voltas e ei-lo, 21 anos depois, de novo no José Alvalade, em Dezembro, para a 14.ª jornada. A noite é de Jesus pelo registo histórico dos 500 jogos na 1.ª divisão.

Jesus, Sporting, Sporting, Jesus. E do outro lado? Afastado da Liga Europa e da Taça de Portugal num abrir e fechar de olhos, o Braga chega a Alvalade com um treinador novo (Abel no lugar de Peseiro) e os números iguais aos do Sporting em matéria de golos marcados e sofridos (24-12). A única diferença é um ponto, a favor do Sporting. É o terceiro lugar em jogo e o Sporting entra nervoso, sem atinar com o passe, até o mais simples de todos. Disso se aproveita Alan para lançar Wilson Eduardo em duas oportunidades de cortar a respiração: na primeira, aos 6′, o remate sai-lhe frouxo, à figura de Patrício; na segunda, aos 14′, Patrício é driblado e a bola só pára nas malhas laterais, com a baliza aberta (e quase sem ângulo). Pelo meio, Matheus evita o 1-0 de cabeça de Bryan (7′). Até ao intervalo, Gelson trata de animar a malta com um remate de raiva a sair colado ao poste (30′) e uma jogada veloz desde o seu meio-campo, concluída sem jeito por Campbell (36′).

Para a segunda parte, Jesus entra com um outro central (Douglas por Rúben, lesionado) e o Sporting joga com mais acerto. Tanto à frente como atrás. Patrício é um espectador, Matheus nem tanto e vê a bola no poste, aos 50′, num cabeceamento de Gelson, antes de fazer outra bela defesa a remate de Bryan (62′). O Braga reage, por Abel. O treinador faz entrar Hassan pelo capitão Alan e a defesa do Sporting começa a tremer. À primeira (70′), golo. Ricardo Horta desmarca-se pela esquerda e atira ao poste. Na ressaca, Wilson Eduardo apanha a bola a jeito e atira fora da área. Que não fora do alcance de Patrício, mal batido.

Faltam ainda 20 minutos e Jesus tem duas substituições na manga. Entram Bruno César mais André, avança Coates e o Sporting instala-se no meio-campo sem criar real perigo á baliza de Matheus, só autor de uma defesa digna de registo e sem aparato por aí além (Coates, 90′). Nos descontos, o descontrolo do Sporting é evidente e é o Braga quem está perto do 2-0, por Hassan. Quando o árbitro apita para o fim, há assobios e lenços brancos. O Sporting perde o oitavo jogo da época e desce para o quarto lugar, com os mesmos pontos do quinto classificado (Vitória SC).

Estádio José Alvalade, em Lisboa
Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa)
SPORTING: Rui Patrício; João Pereira, Coates, Rúben (Douglas, 46′) e Zeegelaar (Bruno César, 72′); William; Gelson, Adrien e Bryan (André, 79′); Bas Dost e Joel Campbell
Treinador: Jorge Jesus (português)
BRAGA: Matheus; Baiano, Ricardo Ferreira, André Pinto e Goiano; Wilson Eduardo, Xeka (Tiba, 74′), Vukcevic e Ricardo Horta; Alan (Hassan, 67′) e Rui Fonte (Bakic, 83′)
Treinador: Abel (português)
Marcador: 0-1, Wilson Eduardo (70′)