Instituto Nacional Estatística

Consumo de álcool é maior nas zonas rurais, fuma-se mais nas cidades

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e mostram que um em cada dois portugueses consome álcool diariamente e que 1,5 milhões fumam.

CHRISTOPH SCHMIDT/EPA

O consumo diário de álcool entre a população residente com mais de 15 anos é maior nas áreas rurais, enquanto o consumo de tabaco é superior nas zonas urbanas, revelou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com informação dos Anuários Estatísticos Regionais de 2015, publicados pelo INE e que integra dados do Inquérito Nacional de Saúde, efetuado em 2014 em todo o território nacional, um em cada quatro portugueses (2,1 milhões, 24,2% da população) referiu consumir diariamente bebidas alcoólicas.

As regiões Norte (30,3%) e Centro (24,8%) são as únicas que apresentam valores acima da média nacional, enquanto os Açores (13,6%) e Madeira (10,4%) são as regiões que apresentam valores mais baixos de consumo diário de bebidas alcoólicas na população com 15 ou mais anos.

Os homens residentes em áreas predominantemente rurais (45%) e áreas mediamente urbanas (41,7%) são os que mais bebem álcool diariamente, percentagem que nas áreas predominantemente urbanas cai para os 36%.

Já entre as mulheres, o consumo diário de álcool é maior nas áreas mediamente urbanas (14,1%) e nas áreas rurais (12,9%), não ultrapassando os 11% nas áreas urbanas.

O consumo diário de tabaco incidia, em 2014, sobre 16,8% (1,5 milhões) da população residente com 15 ou mais anos, sendo que os maiores fumadores diários são homens residentes em zonas predominantemente urbanas.

Em termos regionais, fuma-se mais nos Açores (23,3%), no Algarve (20,7%), na Área Metropolitana de Lisboa (18,7%) e no Alentejo (18,3%), regiões com valores acima da média nacional.

Norte (15,3%) e Centro (15%), as regiões com maior consumo diário de álcool, são, ao invés, aquelas onde os portugueses ali residentes menos fumam diariamente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)