Instituto Nacional Estatística

Consumo de álcool é maior nas zonas rurais, fuma-se mais nas cidades

Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e mostram que um em cada dois portugueses consome álcool diariamente e que 1,5 milhões fumam.

CHRISTOPH SCHMIDT/EPA

O consumo diário de álcool entre a população residente com mais de 15 anos é maior nas áreas rurais, enquanto o consumo de tabaco é superior nas zonas urbanas, revelou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com informação dos Anuários Estatísticos Regionais de 2015, publicados pelo INE e que integra dados do Inquérito Nacional de Saúde, efetuado em 2014 em todo o território nacional, um em cada quatro portugueses (2,1 milhões, 24,2% da população) referiu consumir diariamente bebidas alcoólicas.

As regiões Norte (30,3%) e Centro (24,8%) são as únicas que apresentam valores acima da média nacional, enquanto os Açores (13,6%) e Madeira (10,4%) são as regiões que apresentam valores mais baixos de consumo diário de bebidas alcoólicas na população com 15 ou mais anos.

Os homens residentes em áreas predominantemente rurais (45%) e áreas mediamente urbanas (41,7%) são os que mais bebem álcool diariamente, percentagem que nas áreas predominantemente urbanas cai para os 36%.

Já entre as mulheres, o consumo diário de álcool é maior nas áreas mediamente urbanas (14,1%) e nas áreas rurais (12,9%), não ultrapassando os 11% nas áreas urbanas.

O consumo diário de tabaco incidia, em 2014, sobre 16,8% (1,5 milhões) da população residente com 15 ou mais anos, sendo que os maiores fumadores diários são homens residentes em zonas predominantemente urbanas.

Em termos regionais, fuma-se mais nos Açores (23,3%), no Algarve (20,7%), na Área Metropolitana de Lisboa (18,7%) e no Alentejo (18,3%), regiões com valores acima da média nacional.

Norte (15,3%) e Centro (15%), as regiões com maior consumo diário de álcool, são, ao invés, aquelas onde os portugueses ali residentes menos fumam diariamente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)