O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condenou esta quarta-feira as declarações do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, considerando que o dirigente colocou em risco os elementos da classe que citou após um jogo da I Liga de futebol, com o Desportivo de Chaves.

“O futebol é feito dentro e fora do campo também por paixões, mas tem sido, simultaneamente, um espaço de alguma agressividade, pelo que o SJ critica o FCP por estar a colocar em risco, por razões óbvias, os jornalistas identificados pelo seu nome profissional”, refere o comunicado do Sindicato.

O SJ alude não só às declarações de Pinto da Costa, que considerou menos próprias alegadas atitudes de jornalistas durante o jogo com o Desportivo de Chaves, mas também ao boletim diário do clube.

“As mesmas falsas acusações contra jornalistas foram reproduzidas no dia seguinte, na ‘newsletter‘ do clube”, denuncia o SJ, onde Pinto da Costa nomeou vários nomes e instituições:

“(…) Está a ser demais e estamos a perder a paciência, estão a acontecer coisas estranhas, como uma senhora da Lusa, a Soraia Ferreira, vir festejar aqui o golo do Chaves. Quem não é capaz de ser isento e mostrá-lo não pode ser vosso colega de profissão. O Nuno Martins, da TSF, também insultou a massa associativa e vamos fazer uma exposição e queixa no sítio devido, porque de uma vez para sempre tem de acabar este forrobodó.”

O Sindicato lembra que “há menos de um ano um repórter de imagem da Sport TV foi agredido por adeptos de cara tapada no exterior do Estádio do Dragão, tendo sido então proferidas ameaças contra os jornalistas que se encontravam no local”.

No seguimento, o SJ sublinha que este clima de intimidação é agravado com o tipo de declarações agora feitas e manifesta “total solidariedade para com os jornalistas visados”.