506kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Alegado autor do atentado em Berlim jurou lealdade ao Estado Islâmico

Este artigo tem mais de 5 anos

O alegado autor do atentado que fez 12 mortos em Berlim manifestou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico, num vídeo que a agência de propaganda da organização terrorista divulgou.

i

Britta Pedersen/EPA

Britta Pedersen/EPA

O alegado autor do atentado com um camião que fez 12 mortos em Berlim na passada segunda-feira manifestou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) num vídeo que a agência de propaganda da organização terrorista, Amaq, divulgou. A gravação mostra o tunisino Anis Amri, abatido esta sexta-feira em Milão pela polícia italiana a jurar a sua lealdade ao líder do EI, Abu Bakr al-Badhdadi, relatou a agência France-Presse.

O homem, que aparece de pé vestido com um manto ao lado de um rio, dirige-se diretamente à câmara declarando a sua intenção de vingar as vítimas muçulmanas dos ataques aéreos e apela ao ataque dos “cruzados”. A data e o local da gravação, que dura cerca de três minutos, não são mencionados.

Horas antes, a Amaq divulgou um comunicado em que afirmou que o homem abatido em Milão pela polícia italiana era o autor do ataque de Berlim. Quando foi abatido, Anis Amri “tinha muito poucos objetos pessoais consigo e nenhum documento, era um fantasma”, declarou o chefe da polícia de Milão, Antonio de Iesu, citado pela AFP.

“Ele não tinha com ele nada mais do que a pistola [com que abriu fogo sobre a polícia na altura da tentativa de detenção], nem telefone, apenas um pequeno canivete e algumas centenas de euros”, declarou Iesu numa conferência de imprensa.

Tratava-se apenas de um controlo de rotina. Pode parecer paradoxal e é, mas não sabíamos que se tratava de um atirador”, continuou o responsável, precisando que Anis Amri “era um magrebino como há muitos na região de Milão”.

“Parece absurdo que um terrorista como este tenha sido encontrado por acaso, na sequência de um controlo banal, mas é a realidade”, admitiu.

Ao seu lado, o adjunto de Iesu, Roberto Guida precisou que Anis “estava absolutamente tranquilo”.

Foi-lhe pedido que despejasse a mochila e, num gesto brusco, ele tirou uma pistola carregada, pronta a ser utilizada, com que abriu fogo”, continuou.

Anis Amri, um tunisino de 24 anos, estava em fuga desde o atentado na passada segunda-feira à noite, que fez 12 mortos e 50 feridos num mercado de Natal em Berlim, e foi reivindicado pelo EI. Chegado à Sicília em 2011, Anis Amri já havia sido condenado a uma pena de cinco anos de prisão, que cumpriu até 2015, por ter posto fogo a uma escola.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.