O futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu ao ainda Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que disse acreditar que seria capaz de vencer as eleições se se tivesse candidatado, dizendo que “nem pensar” que Barack Obama o venceria nas urnas.

Já se sabe que Donald Trump não é de deixar alguém, ou alguma coisa, sem resposta, e mesmo sendo Barack Obama do outro lado (ou especialmente sendo Obama) a resposta não se fez tardar.

Numa entrevista dada ao seu amigo de longa data, e ex-estratega político (autor do histórico slogan Yes, We Can), David Axelrod, que produz um podcast com apoio da CNN, o ainda Presidente dos EUA falou de tudo um pouco, desde a família, aos primeiros dias na política e, necessariamente ao futuro.

Respondendo a um cenário hipotético e a qual é a sua visão do que aconteceria no futuro aos ideais que levou para a Presidência, Barack Obama mostrou-se confiante que teria sido capaz recolher o apoio da maior parte da população se tivesse ido a votos em novembro passado.

“Penso que teria sido capaz de mobilizar o apoio de da maioria do povo americano”, disse o ainda Presidente, num cenário hipotético, já que a Constituição norte-americana não permite um terceiro mandato.

No entanto, mesmo com Barack Obama a dizer que irá desaparecer da política durante algum tempo e que a sua prioridade é levar a mulher de férias, Donald Trump não deixou passar e respondeu, como é habitual, através da sua conta no Twitter.

“O Presidente Obama disse que acha que teria ganho contra mim. Ele devia dizê-lo, mas eu digo NEM PENSAR! – empregos a desaparecer, ISIS, Ocare [Obamacare], etc”, respondeu Donald Trump, que assume a Presidência no dia 21 de janeiro.

Donald Trump e Barack Obama têm uma relação abertamente conflituosa há vários anos, depois de Trump promover uma campanha a insistir que Obama não era um Presidente legítimo porque não tinha nascido em solo norte-americano. Os dois estiveram juntos pela primeira vez numa reunião de transição na Casa Branca, uma reunião que ambos dizem ter corrido bem e desde então têm sido mais comedidos publicamente, quando falam sobre o outro.