Rádio Observador

Governo

Quercus quer que Governo remeta o caso do aterro de resíduos nucleares para Bruxelas

302

A Quercus defendeu que o Governo português deve remeter imediatamente para Bruxelas o assunto da construção do aterro de resíduos nucleares na central de Almaraz.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A associação ambientalista Quercus defendeu, esta quinta-feira, que o Governo português deve remeter imediatamente para Bruxelas o assunto da construção do aterro de resíduos nucleares na central de Almaraz, projeto que já tem luz verde do Governo espanhol.

É uma notícia que apesar de ser esperada não deixa de ser dececionante. Neste momento, é a altura certa para que o Governo português tome uma medida corajosa e que remeta imediatamente o assunto para Bruxelas com um forte protesto por tudo o que se passou”, afirmou Nuno Sequeira, da Quercus, à agência Lusa.

O Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, através de uma resolução da Direção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia. De acordo com o Boletim Oficial do Estado (BOE), divulgado na quarta-feira, que reporta a resolução de 14 de dezembro de 2016, da Direção-Geral de Política Energética e Minas, “autoriza a execução e montagem da modificação do desenho correspondente ao Armazém Temporário Individualizado da Central Nuclear Almaraz, Unidades I e II”.

Infelizmente, estávamos totalmente à espera que acontecesse esta autorização por parte do Governo espanhol depois de em setembro, o Conselho de Segurança Nuclear (CSN) já ter dado o parecer favorável à construção do armazém temporário individualizado (ATI) junto à central de Almaraz”, sustentou.

O ambientalista explica que aguardava-se que o resultado das eleições em Espanha pudesse trazer um governo que não desse seguimento à construção do ATI: “Como acabámos por ter o PP novamente no Governo e tendo conhecimento das posições pró-Almaraz, infelizmente não é uma decisão que nos surpreenda”. Nuno Sequeira entende que “é lamentável,” que Portugal tenha sido mais uma vez, “totalmente ignorado nesta decisão”.

Achamos lamentável que o Governo português, tenha de certo modo, ignorado e dado pouca atenção a este assunto, uma vez que teria tido tempo, desde setembro (quando o CSN deu parecer favorável à construção do ATI) até agora, de exercer maior pressão”, sustentou.

Contudo, sublinha que atualmente parece que o Governo português está mais mobilizado para intervir em prol dos interesses nacionais, mas adianta que o mesmo não se passou há alguns meses atrás. “Parece que o Governo [português] acordou um pouco tarde para o problema e também fruto disso, a decisão [do Governo espanhol] neste momento, é algo que parece caminhar para uma forma irreversível”, frisou.

O responsável da Quercus adianta ainda que por trás da decisão espanhola, está uma “forte pressão” do consórcio que explora Almaraz que após a construção do ATI, “pode ter um grande argumento para adiar o final de vida da central, previsto para 2020, e estendê-lo por mais 10 ou 20 anos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)