Eduardo Barroso, médico e sobrinho de Mário Soares, garantiu esta sexta-feira que não serão tomadas medidas que prolonguem de forma artificial a vida do ex-Presidente da República. “A decisão já está tomada”, assegurou o cirurgião.

À chegada ao Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde Mário Soares está internado desde 13 de dezembro, Eduardo Barroso adiantou alguns detalhes aos jornalistas sobre a situação clínica do fundador do PS, assegurando que todos os órgãos vitais do socialista funcionam sem complicações graves. O estado de coma profundo, no entanto, mantém-se inalterado.

Se, porventura, o quadro clínico de Mário Soares se alterar, Eduardo Barroso assegurou que não serão tomadas medidas para lá do estritamente necessário. “Aquela loucura de tentar prolongar a vida não vai ser feita”, explicou Eduardo Barroso.

“A decisão é tomada pelos médicos em conjunto com as famílias” e, no caso de Mário Soares, “essa decisão já foi tomada”, reiterou o sobrinho de Mário Soares.

Eduardo Barroso revelou ainda que António Guterres ligou na quinta-feira a Isabel Soares para perguntar, precisamente, se a família pretendia, de alguma forma, recorrer a algum tipo de suporte artificial de vida, assim a situação clínica de Mário Soares o justificasse. De acordo com o cirurgião, a filha do ex-Presidente da República terá dito que nada seria feito para lá do clinicamente razoável.