Rádio Observador

Feriados

Os feriados em 2017 vão permitir mais “pontes”. Conheça aqui o calendário para este ano

587

Há cinco possibilidades para fazer "ponte" em 2017, com feriados nacionais à terça ou quinta-feira. Outros cinco feriados são à segunda ou sexta-feira, o que permitirá "esticar" o fim-de-semana.

PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

Autor
  • Tiago Palma

Em 2012, a coligação de Governo PSD-CDS suspendeu quatro feriados nacionais, dois deles civis e dois religiosos. “Culpe-se” a Troika — e a “emergência financeira”, como explicaria o então primeiro-ministro Passos Coelho. Volvidos quatro anos, e com a mudança de Governo, o PS (apoiado pelo PCP, Bloco de Esquerda e PEV) apresentaria na Assembleia da República os quatro projetos de lei que reporiam os feriados perdidos: Corpo de Deus, Implantação da República, Todos os Santos e Restauração da Independência.

Ao todo, 2016 teve 10 feriados nacionais. E o calendário foi “amigo”, permitindo aos trabalhadores fazer (assim os patrões o permitissem) quatro “pontes”. Em 2017, e olhando ao calendário, a situação até melhora. E muito: são cinco as “pontes” possíveis, com feriados à terça e quinta-feira, sendo ainda possível “esticar” o fim-de-semana em um dia, pois são cinco os feriados que se celebram à segunda ou sexta-feira.

Comecemos por aqui, pelos fins-de-semana prolongados. E comecemos em abril. A Sexta-feira Santa, a 14 de abril, é (como habitualmente) na primeira sexta-feira antes do domingo de Páscoa. Em maio, no primeiro dia do mês, há o Dia do Trabalhador – e calha a uma segunda-feira. O feriado da Restauração da Independência, no dia 1 de dezembro, é, também ele, um feriado à sexta-feira. Por fim, e no último mês do ano, a Imaculada Conceição (8 de dezembro) e o Natal são, respetivamente, a uma sexta e segunda-feira. Por falar em Natal, sendo este a uma segunda-feira, o mesmo é dizer que dia 1 de janeiro de 2018 (e pedimos desculpa pelo avanço de um ano no calendário, mas estas contas fazem-se cedo) é também ele numa segunda.

Vistos e revistos que estão os fins-de-semana prolongados, olhemos às possíveis “pontes” no ano que agora começa. A primeira poderá acontecer já no Carnaval, a 28 de fevereiro, pois este celebra-se numa terça-feira. Avançando no calendário até abril, o Dia da Liberdade é como sempre a 25, mas este ano o dia 25 de abril é, também ele, numa terça-feira. Em junho, o dia 15 é do feriado do Corpo de Deus, uma quinta-feira. Mais adiante, a 15 de agosto, o feriado da Assunção de Nossa Senhora é a uma terça-feira. O dia 5 de outubro, ou seja, o feriado da Implantação da República, surge no calendário de 2017 à quinta-feira.

Contas feitas, são cinco os feriados que permitem fazer “ponte” aos trabalhadores. A estes acrescem os dias de Santo António e São Pedro, 13 e 29 de junho respetivamente, assinalados como feriados municipais em diferentes pontos do país (Santo António em Lisboa ou Vila Real; São Pedro em Sintra ou Évora, por exemplo). O primeiro calha a uma terça-feira, o segundo a uma quinta. O dia São João, esse, como sempre a 24 de junho, é num sábado — e não conta para “esticar” o fim-de-semana.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)