O presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Guilherme Pinto, entregou esta segunda-feira à presidente da Assembleia Municipal a carta de renúncia ao mandato autárquico. A partir do dia 1 de fevereiro, o atual vice-presidente, Eduardo Pinheiro, fica à frente da autarquia.

Há mais de dois anos que Guilherme Pinto luta contra o cancro. Com o tratamento ainda em curso e os problemas de mobilidade a acentuarem-se, o autarca considera, em comunicado, que o projeto que liderou “durante onze anos merecem um Presidente a tempo inteiro e não alguém que hoje está diminuído nas suas capacidades físicas”.

Na carta, o ainda presidente da Câmara Municipal de Matosinhos diz ainda esperar que os matosinhenses “possam apreciar o trabalho” que, “para eles”, as equipas lideradas por Guilherme Pinto tiveram ocasião de concretizar. Para além da presidência da autarquia, Guilherme Pinto apresentou também hoje a demissão dos diversos cargos que até aqui desempenhava, designadamente a presidência do Fórum Europeu de Segurança Urbana, da presidência do Conselho de Administração da Rede Europeia das Cidades e Escolas de Segunda Oportunidade e da presidência da Casa da Arquitetura.

Pelo mesmo motivo, não será candidato às eleições autárquicas que se realizam no final do ano. O independente, que em 2009 tinha sido eleito pelas listas do Partido Socialista, já tinha anunciado o apoio a Luísa Salgueiro, vice-presidente do grupo parlamentar socialista e o nome que a Distrital do PS aprovou como candidata a Matosinhos.

“Soube agora, não havia nenhuma indicação em dezembro de que isto iria acontecer”, afirma Luísa Salgueiro ao Observador. Foi em dezembro que o PS Porto firmou um acordo com os independentes liderados por Guilherme Pinto, que coloca Eduardo Pinheiro como seu número dois, pelo que o vice-presidente não será candidato. Uma decisão que não agrada à Concelhia de Matosinhos, que tinha aprovado o nome do seu líder, Ernesto Páscoa, como candidato.

Para além de Luísa Salgueiro, também Narciso Miranda já se apresentou como candidato, independente. O ex-socialista foi presidente da Câmara de Matosinhos entre 1997 e 2005. Em 2009 candidatou-se como independente, mas foi derrotado por Guiherme Pinto.