Rádio Observador

PSOE

Duelo no PS espanhol entre Susana Díaz e Pedro Sánchez cada vez mais possível

Segundo a imprensa espanhola, Susana Díaz e Pedro Sánchez estão apenas a fazer tempo até lançarem as suas candidaturas à liderança do PSOE. Tanto para um como para outro, as sondagens não são boas.

CRISTINA QUICLER/AFP/Getty Images

O ex-secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, e a presidente da região da Andaluzia, a socialista Susana Díaz, podem estar prestes a anunciar as suas candidaturas à liderança do partido, que é gerido por uma direção interina desde o culminar da crise interna de de 2016.

A 1 de outubro, depois de ter levado o partido socialista espanhol aos piores resultados de sempre em eleições legislativas (90 deputados em dezembro de 2015 e 85 em junho de 2016), Pedro Sánchez demitiu-se sob forte pressão de vários líderes regionais dos socialistas espanhóis. Entre eles, e em claro destaque, estava Susana Díaz, que é presidente da região da Andaluzia, a mais populosa de Espanha, desde 2013.

De acordo com a imprensa espanhola, agora trata-se apenas de uma questão de tempo até os dois políticos avançarem. Segundo o ABC, Susana Díaz prevê apresentar a sua candidatura à liderança do PSOE até ao final do mês de janeiro. Já o El Español escreve que a decisão de Pedro Sánchez se candidatar ao cargo que abandonou em outubro “já não tem marcha atrás” e que está apenas à espera de que “haja regras do jogo e prazos concretos” por parte da direção interina do partido para avançar.

Mais do que uma novidade, a perspetiva de um confronto entre Susana Díaz e Pedro Sánchez deverá ser a continuação de uma dinâmica de confronto que tem marcado o PSOE nos últimos tempos, com figuras de destaque do partido a apoiarem a presidente andaluza (os dois últimos presidentes de Governo socialistas, Felipe González e José Luiz Zapatero, já falaram a seu favor) e com as bases socialistas a apoiarem o deputado madrileno.

A próxima liderança do PSOE será determinada num congresso que, de acordo com aquilo que já foi dito pelo secretário-geral interino, Javier Fernández, deverá ser “antes do verão”. A data definitiva deverá apontar já para 14 de janeiro, que é para quando está marcada a reunião do Comité Federal para decidir como será o calendário do partido.

Eleitores do PP preferem Díaz, mas toda a esquerda quer Sánchez

Perante este cenário de um congresso iminente, as sondagens são ambíguas. Segundo um inquérito do El Mundo com a Sigma Dos, Susana Díaz é a melhor pessoa para a liderança dos PSOE, de acordo com aqueles que em junho votaram no Partido Popular e no Ciudadanos (70% e 48,9%, respetivamente), mas 53,8% dos que votaram no PSOE querem que Pedro Sánchez volte a liderar o partido. Também no Podemos, com o qual o PSOE teve algumas reuniões na primeira metade de 2016 para tentar chegar a um entendimento pós-eleitoral, Pedro Sánchez é o favorito para liderar os socialistas espanhóis, com 70% a apoiarem-no.

A sondagem coloca o PSOE perante um paradoxo que, no pior dos cenários para os socialistas espanhóis, pode intensificar a sua atual crise. Por um lado, ao tentar ganhar mais votos à esquerda, Pedro Sánchez revela claras dificuldades em conseguir apelar ao eleitorado do centro e da direita, como ficou demonstrado em dezembro de 2015 e em junho de 2016. Por outro lado, Susana Díaz teria problemas em conquistar os votos dos eleitores que tradicionalmente votam à esquerda do PSOE, mesmo que conseguisse alguns votos à sua direita — mas estes dificilmente seriam suficientes para vencer umas eleições.

O mau momento que o PSOE atravessa ficou espelhado no barómetro El País / Metroscopía de dezembro de 2016, que colocava o Partido Popular a subir em relação às eleições de junho do mesmo ano, chegando aos 34,2% de intenções de voto. Em segundo lugar, aparece o Unidos Podemos (a junção do Podemos com a Izquierda Unida, que concorreram pontualmente juntos nas últimas eleições) com um total de 22,9%. Só depois é que surge o PSOE, com 17,9% e um terceiro lugar — depois de ter tido 22,6% e terminado em segundo lugar em junho.

Apesar da indefinição geral deixada pela sondagem do El Mundo, sobra uma certeza: uma maioria de 58,3% dos inquiridos quer que o PSOE convoque o seu congresso “o mais cedo possível”, enquanto apenas 23% dizem que é melhor esperar “seis ou sete meses”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)