Os árbitros vão passar a ter segurança apertada e reforçada. A garantia foi dada por José Fontela Gomes, presidente do Conselho de Arbitragem a seguir a uma reunião com vários árbitros na Maia, segundo a edição desta sexta-feira do Jornal de Notícias (JN). O plano de segurança foi criado pelo Ministério da Administração Interna e surge depois de se ter instalado a polémica na arbitragem portuguesa. A PSP vai colocar mais uma centena de homens no terreno para garantir a segurança dos árbitros.

Esta quinta-feira à tarde, Artur Soares Dias, juiz nomeado para a partida deste fim-de-semana, entre o FC Porto e o Paços de Ferreira, a contar para a 16º jornada, terá sido ameaçado de morte por membros da claque Super Dragões, do FC Porto. A seguir ao sucedido, o Conselho de Arbitragem convocou uma reunião extraordinária com todos os clubes da 1º e 2º ligas de futebol português, que se realizará na próxima terça-feira.

No mesmo dia, à noite o Conselho de Arbitragem reuniu-se com vários árbitros. Entre eles estava o árbitro ameaçado, Artur Soares Dias. Também o presidente Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves, foi cuspido e insultado perto da sede da APAF em Lisboa, esta quinta-feira. Segundo o jornal Público, Luciano Gonçalves pede “condições para que os árbitros possam crescer” e rejeita a teoria de que a arbitragem portuguesa está “ao serviço de algum clube”, acrescentando ainda que “se alguém quer fazer passar essa ideia, está completamente enganado. Nem nenhum clube nem ninguém manda na arbitragem. Os árbitros estão somente focados em fazer o seu trabalho e não em andarem a mando de alguém. Se essa ideia existiu no passado não pode existir mais”

O JN dá ainda conta que entre as medidas tomadas, para garantir a segurança dos árbitros, está a vigilância constante às casas dos mesmo assim como o dia-a-dia de cada juntamente com as suas famílias, vão ser acompanhados por seguranças. Segundo o Correio da Manhã (CM) as ameaças e intimidações têm subido de tom com a presença de membros de claques junto às escolas dos filhos dos árbitros, das habitações dos mesmos ou ainda a rondar os empregos das mulheres. Esta informação foi confirmada ao CM pela Federação Portuguesa de Futebol.

A arbitragem portuguesa tem estado debaixo de fogo nos últimos dias. As queixas chegam essencialmente dos clubes Sporting e Porto que se dizem prejudicados, constantemente pelas decisões dos árbitros durante os jogos. A polémica estalou depois dos jogos para a Taça CTT, onde ambos os clubes foram eliminados por, segundo os mesmos, terem existido más decisões por parte dos juízes da partida.