Rádio Observador

Mário Soares (1924-2017)

Costa decreta três dias de luto nacional mas não participa nas cerimónias

450

O primeiro-ministro não vai interromper a visita de seis à Índia para participar no funeral de Mário Soares. Ministro dos Negócios Estrangeiros diz que Soares ficaria contente com a decisão.

António Costa está a realizar uma visita de Estado de seis dias à Índia e não vai interromper

AFP/Getty Images

António Costa decretou três dias de luto nacional (a partir de segunda-feira) e honras de funeral de Estado para Mário Soares. De visita à Índia, o primeiro-ministro português revelou, porém, que não participará nas cerimónias fúnebres.

Estando em visita de Estado, não poderei estar pessoalmente presente, mas envio ao João, à Isabel, filhos de Mário Soares, e aos netos, um grande abraço”, declarou o líder do executivo português, que se dirigiu aos jornalistas a partir do hotel onde está instalado em Nova Deli, em frente a um cenário improvisado.

Falando de uma “gratidão e saudade que será sempre eterna”, António Costa começou por dizer que hoje perdemos “aquele que foi tanta vez o rosto e a voz da nossa liberdade”. “Mário Soares foi um homem que durante toda a sua vida se bateu pela liberdade. Fê-lo contra a ditadura e por isso sofreu a prisão, a deportação, o exílio.”

Debateu-se pela liberdade e democracia depois do 25 de Abril e a ele lhe devemos também ter sabido por fim ao colonialismo e assegurar a integração europeia de Portugal.”

Descrevendo o antigo Presidente da República como “alguém que teria sido insubstituível na historia recente” de Portugal, o primeiro-ministro português salientou que todos os portugueses lhe devem muito. “Ficamos-lhe eternamente grato. Deu um contributo único e insubstituível para hoje sermos um país democrático e europeu.”

“Mário Soares é o pai da democracia portuguesa”

Para Augusto Santos Silva, “é muito fácil dizer”: “Mário Soares é o pai da democracia portuguesa, antes do 25 de Abril e depois do 25 de Abril”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros durante a visita de Estado à Índia. “É o pai do reencontro de Portugal com a sua História, com o seu espaço cultura. É a pessoa mais importante, pelo menos para a minha geração.”

Questionado pelos jornalistas em Nova Deli, Santos Silva disse que a melhor maneira de preservar a memória de Mário Soares é “continuarmos todos a lutar por aquilo em que acreditamos”. “Todos acreditamos em coisas diferentes e, por isso, eu hoje nem queria lembrar o Mário Soares socialista”, confessou.

Queria lembrar o Mário Soares pessoa, português de primeira e democrata. Acho que a lição principal que ele nos deixa é a de que todos somos necessários (…) e devemos trabalhar todos em função daquilo que acreditamos sem nunca ceder em função dos valores que acreditamos ser fundamentais.”

Sobre a permanência da comitiva portuguesa na Índia, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse desconfiar que se “Mário Soares soubesse ficaria contente com esta decisão”. “Ele sempre pôs os interesses do estado, da nação e dos portugueses acima de quaisquer outros”, disse Santos Silva, que se encontra em Nova Deli com António Costa.

“Estamos a iniciar uma vista de Estado que é muito importante. A visita de Estado tem momentos políticos que são determinantes e julgo que faz sentido”, afirmou, recordando que Mário Soares foi ministro dos Negócios Estrangeiros e que participou no restabelecimento das relações diplomáticas com a Índia. “Portanto, julgo que ele se sentiria perfeitamente a vontade.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)