Marcelo Rebelo de Sousa já reagiu à morte de Mário Soares. O Presidente da República lembrou o legado deixado pelo socialista na luta pela liberdade em Portugal, na Europa e no Mundo. “O homem era sempre o mesmo, a causa também a mesma: a liberdade”.

O Chefe de Estado recordou o papel determinante de Mário Soares na construção da democracia, na votação da Constituição, no processo de reconhecimento da soberania das antigas colónias portuguesas e na adesão de Portugal às comunidades europeias.

“Como toda a personalidade de eleição conheceu a glória e o revés, os amores e os desamores de cada instante”, continuou Marcelo Rebelo de Sousa. “Mas há imagens únicas que ninguém esquecerá. A presença corajosa ao lado de Humberto Delgado, a resistência a partir do exílio, a chegada a Santa Apolónia, o discurso na Fonte Luminosa, a disponibilidade para servir como primeiro-ministro em duas crises financeiras, a tenacidade na primeira volta das presidenciais de 1986, as presidências abertas e a alegria no diálogo com as gentes da cultura”, enumerou o Presidente da República, lembrando ainda o papel de Soares pela independência de Timor Leste e nas manifestações contra a intervenção no Iraque.

A terminar, Marcelo deixou ainda uma mensagem: cabe a todos os intervenientes políticos a missão de seguir e respeitar o legado de Mário Soares na luta intransigente “por um Portugal livre, por uma Europa livre e por um Mundo livre”.

“Terminada esta pugna da sua vida, resta a Mário Soares travar o derradeiro combate, aquele em que estaremos todos com ele, o combate pela imortalidade do seu legado, um combate que iremos vencer. Nunca desistiremos, tal como Mário Soares nunca desistiu de um mundo livre”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.