Rádio Observador

Mário Soares (1924-2017)

Morte de Soares é noticia em todo o mundo

Os principais jornais espanhóis reagiram poucos minutos depois da comunicação social portuguesa noticiar a morte de Mário Soares, fazendo dessa informação a manchete dos respetivos sites

Os principais jornais mundiais estão a noticiar a morte de Mário Soares, sendo em Espanha o desaparecimento do ex-Presidente da República é mesma um das notícias do dia.

O correspondente em Lisboa do El País escreve que “é impossível compreender os últimos 50 anos de Portugal sem Mário Soares”, recordando o seu papel na luta contra a ditadura do Estado Novo mas também o combate à “deriva comunista da revolução dos cravos”. A notícia da morte de Soares é a manchete do site do El País.

Já o “El Mundo” publica uma notícia e um obituário de fundo com o título “Mário Soares: pai da democracia portuguesa”, em que recorda a vida de Soares. “A vida de Mário Soares e a história da democracia portuguesa andaram sempre de mãos dadas”, é a primeira frase do texto do obituário publicado por Virgina Lopez, corresponde em Lisboa.

O jornal digital “El Español” recorda os “muitos paralelismos” da vida de Mário Soares “com Felipe González”, o líder histórico do PSOE — o partido irmão do PS em Espanha. “Ambos militaram no socialismo, lutaram contra a ditadura na clandestinidade, foram decisivos para a transição para a democracia, lutaram contra o controle da esquerda pelos comunistas, combateram o atraso económico dos seus países, colocaram a Península Ibérica na Europa e foram incómodos com ex-presidentes pelas suas contínuas ingerências”, escreve o jornal liderado por Pedro J. Ramirez (fundador e ex-diretor do “El Mundo”).

Brasil: Um humanista admirado pela sua tenacidade

Todos os principais jornais brasileiros noticiaram igualmente a morte de Mário Soares. O Globo deu a manchete do seu site ao falecimento do ex-Chefe de Estado português com um texto que tem a seguinte entrada:

Talvez a principal maneira de se conhecer não só o legado de uma pessoa, mas também sua personalidade e caráter, seja apreender o que se disse dela, no que foi mais marcante e quais as palavras mais usadas para defini-la. No caso do português Mário Soares, impressiona a quantidade de vezes em que o citam como um dos principais defensores da democracia em Portugal”.

Através do seu correspondente em Madrid, a Folha de São Paulo apelida Mário Soares como uma “figura controversa entre os portugueses”, acrescentando que lhe é “creditado por ter assentado as bases do que seria o Estado democrático português, de que é dito pai”.

Já o Estado de São Paulo diz que Soares “era admirado por sua tenacidade e otimismo exuberante”.

New York Times: “Lutou contra o isolamento económico do seu país”

O New York Times noticia a morte de Mário Soares, enfatizando a sua luta contra “isolamento económico do seu país” e contra os “esforços para arrastar a revolução [do 25 de Abril] para um terreno anti-democrático”, a defesa da “independência das colónias portuguesa em África” e a “integração de Portugal na Comunidade Económica Europeia”.

O jornal de Nova Iorque, de língua inglesa e lido em todo o mundo, ensina ainda os seus leitores a pronunciar corretamente o apelido do ex-líder do PS: “Pronuncia-se SWAH-esh”.

O Washington Post, o principal rival do NYT, publica uma peça da Associated Press assinada por Barry Haton, chefe da delegação portuguesa, onde se recorda o papel do estadista do fundador do PS. “O papel de estadista de Soares solidificou-se através do seu trabalho com a Internacional Socialista (IS). Como vice-presidente desde 1976, liderou missões diplomáticas que pretenderam ajudar a resolver diversos conflitos no Médio Oriente e na América Latina e Central. Soares estava em visita à Palestina para falar com Yasser Arafat em Gaza quando o então primeiro-ministro israelita Yitzahk Rabin foi assassinado em Tel Avi em 1995. Arafat e Rabin eram amigos de longa data de Soares”.

Financial Times: o “socialista que guiou Portugal rumo à democracia”.

O jornal britânico Financial Times (FT), jornal de referência global especializado em informação económica e internacional, afirma que Mário Soares foi o socialista que guiou Portugal rumo à democracia”. Peter Wise, o correspondente em Lisboa do jornal, recorda uma frase curiosa do ex-líder do PS proferida em 1996 — ano em que abandonou a Presidência da República após dois mandatos.

Se eu tivesse vivido em democracia, em vez de passar 32 anos a sair e a entrar da prisão, a correr da polícia e a conspirar em segredo contra a ditadura, poderia ter alcançado muito mais para Portugal”, cita o FT.

Já agência económica Bloomberg noticia a morte de Mário Soares num texto que tem como título “Mário Soares, que ajudou a fundar a democracia portuguesa, morre aos 92 anos”. A agência publicou, ainda, dois outros artigos em que destaca o facto de Soares ter sido o primeiro líder de Governo eleito democraticamente após o 25 de Abril.

França: “Um reformista”, classifica o Le Monde

O jornal francês Le Monde publica um vídeo sobre a vida política de Mário Soares, com a referência, em título, de que o ex-Presidente da República foi um “reformista que, desde o início, defendeu uma democracia orientada para a Europa”.

O jornal francês Libération escreve que Mário Soares liderou com mão firme a transição de Portugal para um Estado de Direito, depois da queda da ditadura, e qualifica o antigo Presidente da República como defensor de uma Europa unida.

O conservador Le Figaro publica uma pequena notícia da agência AFP em que se lê: “Mário Soares contribuiu de forma decisiva para a construção da democracia e para a integração europeia” de Portugal.

Angola: “Soares teve um papel relevante na independência das ex-colónias”

O Jornal de Angola ainda não tem no seu site nenhuma notícia sobre o desaparecimento de Mário Soares. Trata-se do principal jornal do país, nas mãos do Estado e do MPLA, que é conhecido por críticas constantes a Portugal. A família Soares, pelo apoio que Mário e o seu filho João sempre deram à Unita de Jonas Savimbi, sempre foi um dos seus alvos.

O jornal O País destaca “o papel relevante” de Soares “nas negociações com os movimentos nacionalistas que exigiam a independência das ex-colónias portuguesas em África”.

No Paquistão, o desaparecimento de Mário Soares foi igualmente noticiado pelo jornal Tribune — que publica a peça feita pela agência da AFP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)