Rádio Observador

Mário Soares (1924-2017)

PS “sofre a maior das perdas imagináveis”

PS divulga comunicado no site do partido onde destaca a perda do "pai da Liberdade e da Democracia" e diz estar a sofrer "a maior das perdas imagináveis". Ana Catarina Mendes leu texto emocionada.

Pedro Nunes/LUSA

“O Partido Socialista acaba de sofrer a maior das perdas imagináveis, a sua maior referência, o fundador e militante nº1, figura maior e indelével do socialismo democrático português e europeu, Mário Alberto Nobre Lopes Soares. O nosso muito querido camarada Mário Soares”. É assim que o PS reage à morte de Mário Soares, num comunicado publicado no site do partido e lido, com voz embargada, esta tarde pela secretária-geral-adjunta Ana Catarina Mendes.

Com o cabeçalho e o logótipo a negro no site do partido, os socialistas lamentam a perda do “pai da Liberdade e da Democracia, a personalidade e o rosto que os portugueses mais identificam com o regime nascido a 25 de Abril de 1974, ‘O dia inicial inteiro e limpo/ Onde emergimos da noite e do silêncio’, de que falava a sua amiga Sophia e pelo qual tanto se bateu Mário Soares ao longo de toda a sua vida. Combate que o moveu até ao fim”.

Para o PS, a morte do histórico fundador socialista é “um momento de profunda dor”, sendo que, sublinham, “Mário Soares continuará a ser uma referência incontornável, um exemplo e um motivo de orgulho para todos nós” pelo papel que desempenhou na “resistência à ditadura e a todas as tentativas totalitárias, antes e depois do 25 de abril”.

Com uma cronologia detalhada dos vários momentos marcantes da vida de Mário Soares, antes de depois da revolução de abril, o PS recorda o seu papel na “defesa de presos políticos nos tristemente célebres tribunais plenários”, o seu papel enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros do I Governo Provisório, as vitórias do PS para a Assembleia Constituinte assim como para as primeiras eleições legislativas de 1976, passando depois pelo seu papel como primeiro-ministro nos dois primeiros governos constitucionais e mais à frente em 1983.

É a Mário Soares que se deve também a afirmação da vocação europeia de Portugal. Foi dele o impulso para o pedido de adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia, formalizado em 1977, e viria a ser ele a assinar a adesão na manhã do dia 12 de Julho de 1985, numa cerimónia no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa”, continua a ler-se no comunicado.

Os socialistas destacam ainda a sua atuação presidencial, que lhe valeu “os mais altos índices de popularidade e reconhecimento”. Foi, disse Ana Catarina Mendes, o seu exercício do cargo de Presidente da República e a leitura que fez dos poderes presidenciais e daquilo que designou como “magistratura de influência”, que mudou “de forma irreversível” a forma como os portugueses passaram a olhar para a Presidência da República.

“Mas se muitos pensavam que com o final do seu segundo mandato presidencial terminaria a sua carreira política, esse facto viria a ser desmentido pela natureza indomável de puro “animal político” que sempre o caracterizou. Em 1999, voltaria a ganhar umas eleições, como cabeça de lista do PS às eleições europeias desse ano, tendo exercido o seu mandato como deputado europeu. Em 2005, com 80 anos, Mário Soares voltaria a ser candidato à Presidência da República, não tendo conseguido a eleição. Mas continuou a manter uma permanente atenção e reflexão sobre a política portuguesa e mundial, traduzida em tomadas de posição e em várias ações, que lhe valeram ainda em 2013 ser considerado pela Associação da Imprensa Estrangeira radicada no nosso país a personalidade do ano em Portugal”, continua a ler-se.

A terminar e já com a voz embargada, a secretária-geral-adjunta do PS sublinha que Soares foi uma “figura ímpar e inesquecível da História de Portugal”, direcionando as suas palavras para a família, “em particular os filhos João e Isabel e os netos”, e para todos “os seus muitos amigos e camaradas”.

“Soares é fixe! Até sempre, Mário Soares”, rematou Ana Catarina Mendes numa alusão ao slogan da campanha presidencial de 1986.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)