Porto

Associação que apoia deficientes reclama 170 mil euros de fundos comunitários

A Somos nós -- Associação para Autonomia e Integração de Jovens Deficientes queixou-se da falta de pagamento de 170 mil euros de fundos comunitários.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Somos nós — Associação para Autonomia e Integração de Jovens Deficientes queixou-se esta segunda-feira da falta de pagamento de 170 mil euros de fundos comunitários que atrasam a segunda fase de projeto de apoio aos utentes.

Segundo a presidente da instituição Filomena Costa foi feito “um investimento de 600 mil euros para construir o Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) num terreno com uma área de 700 metros quadrados cedido a título de direito de superfície pela Câmara do Porto”.

Desses 600 mil euros, conseguimos angariar metade em múltiplos eventos e com o apoio de empresas e de particulares mas estamos desde setembro de 2015 à espera de 170 mil euros no âmbito de uma candidatura aprovada pelo ON2 — Programa Operacional Regional do Norte”, acrescentou.

Tendo contratualizado com o banco “o pagamento da dívida em 10 anos”, a associação vive, para já, uma situação complicada em termos de tesouraria que a inibe de avançar para uma outra valência, “a construção de uma área residencial para o futuro dos 15 utentes do CAO”, disse Filomena Costa.

Com utentes com idades entre os 16 e os 44 anos, a associação debate-se com problemas a médio prazo para “criar residência própria para os utentes, que perdendo os familiares deixam de ter quem os acolha no seu dia-a-dia e a Somos Nós pode dar essa resposta assim que o constrangimento for ultrapassado”, reiterou a responsável.

“O CAO trouxe uma nova capacidade de resposta, mas temos a intenção de contratualizar com a Segurança Social um aumento progressivo até aos 30 utentes”, disse Filomena Costa de uma associação que “trabalha todos os dias para a integração dos seus utentes na sociedade”.

Nesse âmbito, os 15 utentes têm todas as semanas atividades fora do CAO e que incluem “tratar de uma horta comunitária no Museu de Serralves, visitar workshops na Casa da Música, frequência de um ginásio e de uma piscina pública”, descreveu a presidente.

Atualmente temos oito utentes a frequentar estágios em instituições como a Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, no bar da Universidade Católica, numa associação do bairro do Aleixo e num café, de forma a que possam ter a noção do que é a vida fora do CAO e com isso aumentar sua autoestima e personalidade”, acrescentou.

Com uma “lista de espera de 25 pessoas”, a Somos Nós tem “três técnicos a tempo inteiro, um psicólogo e uma assistente social, monitores de teatro, natação e educação física, para além de um corpo de voluntários que permite trabalhar no CAO áreas como a escrita, identificação e modo de lidar com o dinheiro e a culinária, através da confeção de refeições simples”, disse.

Filomena Costa identifica como um dos maiores problemas “à plena integração dos utentes daquela associação a forma como a sociedade continua a reagir, num primeiro momento, à convivência, por exemplo em contexto de trabalho”.

Em contraponto, descreve a “facilidade daqueles que chegam à Somos nós” para trabalho de voluntariado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
172

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)