Rádio Observador

Porto

Associação que apoia deficientes reclama 170 mil euros de fundos comunitários

A Somos nós -- Associação para Autonomia e Integração de Jovens Deficientes queixou-se da falta de pagamento de 170 mil euros de fundos comunitários.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Somos nós — Associação para Autonomia e Integração de Jovens Deficientes queixou-se esta segunda-feira da falta de pagamento de 170 mil euros de fundos comunitários que atrasam a segunda fase de projeto de apoio aos utentes.

Segundo a presidente da instituição Filomena Costa foi feito “um investimento de 600 mil euros para construir o Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) num terreno com uma área de 700 metros quadrados cedido a título de direito de superfície pela Câmara do Porto”.

Desses 600 mil euros, conseguimos angariar metade em múltiplos eventos e com o apoio de empresas e de particulares mas estamos desde setembro de 2015 à espera de 170 mil euros no âmbito de uma candidatura aprovada pelo ON2 — Programa Operacional Regional do Norte”, acrescentou.

Tendo contratualizado com o banco “o pagamento da dívida em 10 anos”, a associação vive, para já, uma situação complicada em termos de tesouraria que a inibe de avançar para uma outra valência, “a construção de uma área residencial para o futuro dos 15 utentes do CAO”, disse Filomena Costa.

Com utentes com idades entre os 16 e os 44 anos, a associação debate-se com problemas a médio prazo para “criar residência própria para os utentes, que perdendo os familiares deixam de ter quem os acolha no seu dia-a-dia e a Somos Nós pode dar essa resposta assim que o constrangimento for ultrapassado”, reiterou a responsável.

“O CAO trouxe uma nova capacidade de resposta, mas temos a intenção de contratualizar com a Segurança Social um aumento progressivo até aos 30 utentes”, disse Filomena Costa de uma associação que “trabalha todos os dias para a integração dos seus utentes na sociedade”.

Nesse âmbito, os 15 utentes têm todas as semanas atividades fora do CAO e que incluem “tratar de uma horta comunitária no Museu de Serralves, visitar workshops na Casa da Música, frequência de um ginásio e de uma piscina pública”, descreveu a presidente.

Atualmente temos oito utentes a frequentar estágios em instituições como a Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, no bar da Universidade Católica, numa associação do bairro do Aleixo e num café, de forma a que possam ter a noção do que é a vida fora do CAO e com isso aumentar sua autoestima e personalidade”, acrescentou.

Com uma “lista de espera de 25 pessoas”, a Somos Nós tem “três técnicos a tempo inteiro, um psicólogo e uma assistente social, monitores de teatro, natação e educação física, para além de um corpo de voluntários que permite trabalhar no CAO áreas como a escrita, identificação e modo de lidar com o dinheiro e a culinária, através da confeção de refeições simples”, disse.

Filomena Costa identifica como um dos maiores problemas “à plena integração dos utentes daquela associação a forma como a sociedade continua a reagir, num primeiro momento, à convivência, por exemplo em contexto de trabalho”.

Em contraponto, descreve a “facilidade daqueles que chegam à Somos nós” para trabalho de voluntariado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)