Autarquias

PSD de Gaia aprova coligação com CDS-PP para próximas autárquicas

O PSD de Vila Nova de Gaia aprovou uma coligação com o CDS/PP nas eleições autárquicas deste ano. A reunião de militantes juntou mais de 250 sociais-democratas.

O documento votado contém o perfil do candidato à câmara de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, aprovado com duas abstenções e dois votos contra

Carlos Tavares/LUSA

O PSD de Gaia aprovou esta noite um “acordo de princípio de coligação” com o CDS-PP para as eleições autárquicas que se realizam este ano, indicou o presidente da Comissão Políticas de Secção, Cancela Moura. A reunião de militantes juntou, segundo o dirigente, mais de 250 sociais-democratas, tendo sido “uma das mais participadas de sempre” com “muitas intervenções” e “quase total unanimidade em todas as matérias”.

No documento votado lê-se que o PSD e o CDS-PP “têm especiais responsabilidades à escala municipal cujo histórico comum extravasa, em muito, as respetivas fronteiras ideológicas pelo que, face ao papel determinante que lhes cabe na construção de uma alternativa à atual maioria municipal [referindo-se ao PS de Eduardo Vítor Rodrigues], será importante consolidar o princípio de cooperação, com respeito pela autonomia da estratégia e opções políticas de cada um dos partidos, na formação de uma coligação eleitoral”.

Cancela Moura indicou à agência Lusa que o documento, que também contém o perfil do candidato à câmara de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, foi aprovado com duas abstenções e dois votos contra. “É preciso notar que é um acordo de princípio de coligação. Naturalmente que os congressos e as distritais também já fizeram as suas diligências, mas ainda temos de formalizar junto do CDS-PP. O que se sublinha nesta noite é sobretudo a quase unanimidade, a enorme convergência e muita participação”, indicou o presidente da concelhia do PSD de Gaia.

Cancela Moura também destacou “como marcas distintivas”, face às últimas autárquicas que decorreram em 2013, dois aspetos que constam no documento: que a coligação se comprometa a candidatar-se a todas as freguesias com listas próprias e a escolher uma pessoa com uma ligação “mais efetiva ao concelho”.

O documento fala em “objetivos comuns na definição de uma estratégia de desenvolvimento económico, consubstanciada na apresentação de propostas concretas nas áreas da educação, coesão social mobilidade, ordenamento do território e ambiente”.

Quanto ao perfil do candidato a presidente de câmara foram discutidos e aprovados critérios como ser escolhido um nome com “reconhecido espírito de serviço e na defesa do interesse dos gaienses” e com “comportamento pessoal, profissional e político orientado por valores éticos inequívocos”.

“Prestígio local e relação de afetividade com a comunidade capazes de potenciar o apoio eleitoral” é outro dos pontos que constam do documento aprovado. “Deverá merecer particular importância a promoção de candidaturas que garantam a participação de cidadãos independentes, vincando a abertura à sociedade civil e à participação cívica de caráter não partidário”, acrescenta o texto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)