Lojas

The Feeting Room: a Colette portuguesa chegou ao Chiado

625

Há uma nova loja em Lisboa que é uma espécie de Collete portuguesa que alberga marcas nacionais e internacionais em ascensão. De calçado a vestuário, passando por acessórios, só falta ter um café.

Autor
  • Sílvia Silva

Yes, we are shoeaholics! No, we don’t need help! (Sim, nós somos viciados em sapatos! Não, não precisamos de ajuda!)

O aviso está feito à entrada do número 26 da Calçada do Sacramento, em Lisboa. No novo espaço do Chiado — o The Feeting Room (TFR) — gosta-se de sapatos e ninguém tem problemas em admiti-lo. O vício começou nos pés de Edgar Ferreira, Bruno Araújo e Guilherme Pinto de Oliveira que, no meio de ténis, botas e sandálias, fundaram uma concept store de calçado português. Abriram a primeira loja no Porto, em abril de 2015, e agora inauguraram um espaço de 300 metros quadrados na capital do país da qual já faz parte um novo sócio, Arnaldo Pinto — também ele um shoeaholic.

“Acreditamos no valor do calçado português”, começa por explicar Edgar Ferreira ao Observador. “O TFR pretende ser a concept store de referência enquanto curadora de calçado e de lifestyle no mercado nacional“. Lá encontra marcas tão familiares como a Nobrand, Lemon Jelly, Goldmud, Freakloset, Marita Moreno e Nostudio mas também casas do universo de moda — portuguesas e internacionais — como Luís Carvalho, Carla Pontes, +351, Inimigo e FRNCH. Do vestuário à decoração, passando pelos acessórios, ainda encontra os cadernos da Fine & Candy, lápis da Viarco, jardins suspensos da Fiu e as meias originais da WestMister.

the feeting room, loja, sapatos, ténis, roupa, malas, lifestyle, perfumes, relógios, relógio, acessórios,

A The Feeting Room alberga marcas nacionais e internacionais em ascensão que prezam pela qualidade. (foto: Fábio Pinto/Observador)

Inspiramos-nos em referências das capitais europeias como a Colette e o Corso Como para refletir o lifestyle do nosso consumidor”, diz Edgar Ferreira. Uma influência que não passa despercebida aos clientes estrangeiros (cerca de 70%) que procuram um ambiente acolhedor para fazer compras. Já as parecenças com o número 213 da Rue Saint-Honoré, em Paris, estão à vista: da disposição do espaço ao estilo alternativo, só fica mesmo a faltar um café. “A loja do Porto conta com dois andares e com um café no piso de cima, o The Coffee Room, e já estamos a pensar como é que podemos adaptar o conceito no único piso de Lisboa”, argumenta o sócio responsável pela comunicação da marca.

Para compensar, há dois espaços exclusivamente dedicados à primeira shop-in-shop de Daniel Wellington em Portugal e à portuense concept store Clérigos In que vende marcas como Chiara Ferragni, Mykita e Stella McCartney. A caminho da internacionalização do conceito, vêm aí exposições, atuações de DJs, workshops, lançamentos e apresentações já com vinis, revistas e livros à venda. “A nossa estratégia de crescimento no país passa por ter apenas duas lojas em Portugal, mas não excluímos a possibilidade de, por exemplo, abrir uma pop up store em pleno verão no Algarve”, afirma Edgar Ferreira. “Mas abrir uma loja numa capital europeia faz parte dos nossos planos estratégicos.”

the feeting room, loja, sapatos, ténis, roupa, malas, lifestyle, perfumes, relógios, relógio, acessórios,

Em cima da mesa da The Feeting Room do Chiado encontra sabonetes, velas, lápis, chá e tecnologia à venda. (foto: Fábio Pinto/Observador)

Nome: The Feeting Room
Morada: Calçada do Sacramento, 26 (Baixa/Chiado), Lisboa
Horário: De segunda a sábado, das 10h às 20h. Domingos das 12h às 18h.
Site: thefeetingroom.com

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)