O principal suspeito do ataque a uma discoteca em Istambul que tinha sido detido, esta segunda-feira, durante uma operação policial, confessou a autoria do crime, segundo o governador de Istambul.

“O terrorista confessou o seu crime”, disse Vasip Sahin, aos jornalistas, identificando o suspeito como Abdulgadir Masharipov, natural do Uzbequistão.

reina

O principal suspeito do ataque, a uma discoteca na noite de Ano Novo, em Istambul, Turquia, que matou 39 pessoas e feriu outras 69, foi detido esta segunda-feira à noite. Abdulkadir Masharipov terá sido encontrado com o filho de quatro anos, num apartamento no distrito de Esenyurt, em Istambul, durante uma operação policial, avança a Associated Press.

Entretanto imagens do autor do atentando, na altura da detenção, começam a circular nas redes sociais:

A polícia já teria conhecimento da sua localização há dias mas preferiu segui-lo e identificar os seus contactos. Um amigo do suspeito, do Quirguistão, e três mulheres, foram também detidas.

Abdulkadir Masharipov é do Usbequistão, tem 34 anos e fará parte de uma célula do Estado Islâmico na Ásia Central. O suspeito terá assumido o nome Ebu Muhammed Horasani.

O Estado Islâmico reivindicou o ataque como vingança pelo envolvimento da Turquia no conflito sírio. Dias depois do ataque, o suspeito surge num vídeo a passear perto da praça de Taksim, em Istambul.

Desde o início que a polícia turca afirmou ter pistas sobre a identidade do atirador, que deixou a arma na discoteca. Entretanto o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, confirmou que o autor do ataque tinha sido identificado sem adiantar mais detalhes. Surgiram também informações de que o atacante pode ter atuado com cúmplices e dezenas de pessoas já foram detidas por suspeitas de ligação ao ataque.

Ligações aos talibã, Al-Qaeda e por fim Estado Islâmico

A CNN turca avançou esta terça-feira que o autor do atendado na noite de passagem de ano na discoteca Reina em Istambul, pertenceu aos talibã à Al-Qaeda e agora estava vinculado ao Estado Islâmico (que depois reivindicou a autoria do tiroteio).

Segundo a conta a Lusa, Abdulkadir Masharipov terá, alegadamente, encetado o seu contacto com organizações terroristas num grupo armado do Uzbequistão. Mais tarde, ter-se-á unido aos talibãs do Afeganistão e depois à Al-Qaeda, antes de integrar o movimento extremista Estado Islâmico (EI) em 2013.