A estátua de um Buda, com 600 anos, foi descoberta submersa na água, na província de Jiangxi, na China. Foi no mês passado que um local avistou a cabeça do Buda, esculpido numa rocha, no reservatório de Hongmen. A estátua esteve durante anos submersa, mais concretamente desde 1960, quando o reservatório foi construído, mas a construção de um portão hidroelétrico fez com que a água baixasse cerca de 10 metros, permitindo a descoberta.

Os arqueólogos afirmam que a estátua pode datar da Dinastia Ming, entre 1368-1644, ou até mais cedo, da Dinastia Yuan. Foi também encontrada a base de um templo e acredita-se que o reservatório esteja construído sobre as ruínas da antiga cidade de Xiaoshi.

O Buda, com cerca de 3,8 metros, terá sido esculpido pelos locais da antiga cidade, representando um espírito protetor para acalmar a corrente da água diz o local que fez a descoberta, Guan Zhiyong, à CNN. O certo é que a água ajudou a conservar a estátua, que continua surpreendentemente detalhada.

Se a estátua não fosse preservada na água podia ter sofrido danos irreversíveis com o clima, oxidação, entre outros” explica Xu Changqing, diretor do Instituto de Investigação de Arqueologia de Jiangxi.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Muitas relíquias culturais foram destruídas durante a Revolução Cultural, em 1960, que obrigou as pessoas a livrar-se de tudo o que fosse velho, feudal e supersticioso.

Agora os arqueólogos preparam um plano de preservação para a estátua, que tem atraído muitos locais e turistas até ao reservatório. O Buda pode ser só o começo de um tesouro inexplorado.