Portugal entregou, esta segunda-feira, à Comissão Europeia a queixa relacionada com a decisão espanhola de construir um armazém de resíduos nucleares em Almaraz sem avaliar o impacto ambiental transfronteiriço, disse esta segunda-feira fonte do Ministério do Ambiente. A justificação de Portugal para reclamar da iniciativa espanhola prende-se com a nova diretiva comunitária, que obriga os Estados membros da União Europeia a consultarem os vizinhos sempre que estejam em causa decisões com efeitos transfronteiriços.

“A queixa seguiu hoje” para Bruxelas, avançou à agência Lusa a fonte do Ministério liderado por João Matos Fernandes. Uma queixa a que se junta outra reclamação: a omissão pela parte espanhola de informação sobre o eventual prolongamento da vida da central nuclear para além de 2020.

Recorde-se que o secretário de Estado espanhol para a União Europeia, Jorge Toledo, tinha anunciado que iria iniciar-se “nos próximos dias” a construção do aterro, à margem de um encontro realizado com a secretária de Estado portuguesa dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, em Lisboa, segundo noticiado pela agência Lusa.