O primeiro candidato a entrar na corrida pela liderança do PSOE (o partido socialista espanhol) foi Pedro Sánchez, que convidou Patxi López a juntar-se ao projeto. Mas, agora, a maioria dos barões críticos do partido querem que Sánchez apoie Patxi, e estão a mostrar a sua posição quer em chamadas telefónicas, mensagens ou mesmo declarações públicas, dá conta o El Mundo.

A presidente das Ilhas Baleares, Francina Armengol, bem como os secretários-gerais do PSOE em Madrid, Sara Hernandez, Castilla e Leão, Luis Tudanca; do País Basco, Idoia Mendia, ou La Rioja, César Luena, estão a incitar, de várias maneiras, o ex-secretário geral a renunciar a sua candidatura.

Tendo e conta a polémica, a equipa mais próxima do ex-secretário geral madrileno afirma que vai analisar a situação e publicar uma decisão final dentro de uma semana, afirma o El Mundo. Até aqueles que sempre apoiaram a candidatura de Pedro Sánchez, num movimento contra Rajoy, estão a pedir que Sánchez renuncie às primárias e que, por sua vez, integre a equipa com Patxi a liderar.

O El mundo falou com vários barões do PSOE, que afirmam que estavam bastante otimistas sobre a resposta que o ex-secretário geral iria dar, afirmando que falaram com o mesmo e que não lhes parecia que houvesse qualquer tipo de “margem” para Pedro Sánchez fazer o contrário do que estava a ser pedido.

Segundo a crença dos críticos, o Patxi, enquanto candidato ao PSOE, é uma muito melhor opção para vencer como Presidente da Andaluzia contra Susana Diaz, que, afirmam, está com uma “imagem muito enfraquecida”. Mas a declaração mais clara veio de Francina Armengol, numa entrevista à Onda Cero, que afirmou que Sánchez já “não é a pessoa adequada” para liderar o partido, porque o PSOE “está a abrir uma nova etapa que terá que ter um novo líder”.

Luis Tudanca afirmou que, como não vê qualquer tipo de contronto entre Patxi e Sánchez, e como ambos partilham do mesmo projeto, não vê qualquer tipo de problema em que os dois enquadrem o mesmo projeto, mas com Patxi a liderar. Na mesma linha, Idoia Mendia afirmou que existe muito em comum entre os dois candidatos.

Segunda dá conta o El Español, Sánchez ainda não descartou a ideia de concorrer às primárias como líder do PSOE, porém, a resposta final será dada dentro de uma semana. E se, por um lado, há quem apoie Patxi, pois claro que existe uma tanta outra massa que continua a apoiar Sánchez.