Rádio Observador

Rui Moreira

Rui Moreira não quer que o Cinema Batalha seja “uma extensão da Cinemateca”

Encerrado há 17 anos, o Batalha deverá abrir com duas salas de cinema, espaços expositivos e de pesquisa. A autarquia, que vai pagar 10 mil euros de renda, quer uma direção e uma curadoria próprias.

“Não demoraria que o nosso Batalha desaparecesse da cidade e da memória dos portuenses“, disse o vereador socialista Manuel Correia Fernandes.

© Pedro Correia / Global Imagens

Autor
  • Sara Otto Coelho

Os vereadores da Câmara Municipal do Porto aprovaram por unanimidade esta terça-feira, em reunião de Câmara, o arrendamento do Cinema Batalha por 25 anos. A decisão de recuperar o emblemático cinema da cidade foi elogiada, enquanto Rui Moreira aproveitou para explicar que o objetivo é dotar o equipamento de “direção e uma curadoria próprias”, e não ser uma versão mais pequena da Cinemateca.

Em resposta ao vereador Pedro Carvalho, da CDU, que quis saber se o Ministério da Cultura, através da Direção-Geral das Artes, vai dar algum apoio ao projeto, financeiro e não só, o presidente da Câmara do Porto revelou ter falado já com a tutela, no sentido de garantir que o Cinema Batalha terá acesso ao espólio da Cinemateca. “Temos tido muita dificuldade em trazer qualquer programação da Cinemateca ao Porto“, disse, acrescentado de seguida: “Não queremos ser uma extensão da Cinemateca, mas sim ter uma direção e uma curadoria próprias.”

Para Rui Moreira, “mais importante do que a questão de financiamento foi a promessa [do Secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado] do ‘sim’ em relação a fazer uma justa articulação com a Cinemateca a partir do momento em que temos um equipamento como este”. O Observador questionou o Ministério da Cultura sobre o possível apoio ao projeto, mas ainda não obteve resposta.

Inaugurado em 1947 e classificado como Monumento de Interesse Público em 2012, o Batalha fechou no ano 2000. “Quando cá chegámos, não havia cinema na cidade sem ser no [centro comercial] Dolce Vita”, lamentou o presidente, eleito em 2013. Desta forma, o Executivo “fecha o ciclo de voltar a trazer o cinema à Baixa”, ao qual se juntará em breve o também reabilitado Cinema Trindade, ao mesmo tempo que liberta o Teatro Rivoli dos vários ciclos de sétima arte que acolhe atualmente, e que obrigam a uma interrupção da programação artística. Em simultâneo, a autarquia reabilita a zona envolvente ao Batalha.

Era inaceitável que o edifício permanecesse naquele estado. Era uma ferida na cidade que ninguém entendia e tem um valor absolutamente simbólico. Se falarmos da liberdade, aquele cinema foi um ponto de conflito entre a liberdade e a não liberdade. Ainda bem que não fizeram ali um hotel“, disse Rui Moreira.

rui moreira cinema_batalha

“Guardo imensas recordações de aqui vir com a minha avó, ver cinema e depois ir beber chá. Entre os anos 60 e 70, terei vindo cá algumas centenas de vezes”, disse Rui Moreira, na visita ao Batalha. © Nuno Nogueira Santos / CMP

A notícia de que a Câmara ia reabilitar o Batalha foi adiantada pelo Público na quinta-feira e refere que dificilmente as portas se abrirão aos espectadores antes de 2018. O projeto, que foi entregue ao arquiteto Alexandre Alves Costa, ainda não está feito, pelo que o presidente considera que seria “irresponsável” pronunciar-se já sobre quais serão os custos das obras.

O contrato de arrendamento prevê que o edifício seja utilizado para “a instalação de um cinema municipal e para a promoção de um projeto cultural”, diz Rui Moreira. A autarquia vai pagar 10 mil euros por mês aos proprietários — a sociedade Neves & Pascaud –, um valor conseguido após uma “difícil” negociação. O objetivo era adquirir o edifício, mas a família não quer vender. O contrato é válido por 25 anos e é “renovável”, o que permite “investir e amortizar o investimento feito”, sublinhou Rui Moreira.

O novo Cinema deverá manter o formato de duas salas para cinema. A sala principal tem uma lotação de 889 lugares, distribuídos por plateia, tribuna e balcão. No piso inferior, a Sala Bebé tem uma lotação de 135 lugares. O objetivo passa por ter também espaços expositivos e de pesquisa.

Não demoraria que o nosso Batalha desaparecesse da cidade e da memória dos portuenses“, disse o vereador socialista Manuel Correia Fernandes, lembrando que “não foram poucas as chamadas de atenção” que o PS fez durante o Executivo liderado por Rui Rio. Sem sucesso. “As razões [para não intervir] eram que se tratava de um privado e que o cinema não tem rentabilidade em salas daquele tipo.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)