Rússia

Rússia: Todos os que nasceram depois de 2014 não podem fumar. Nem em adultos

2.441

O Ministério da Saúde da Rússia quer erradicar o tabagismo no país e, para tal, quer proibir qualquer pessoa que nasceu depois de 2014 de fumar, mesmo quando chega a adulto.

Esta medida só entrará em vigor em 2033 e, supostamente, essa seria a primeira geração de russos a nascer sem qualquer índice de fumadores no país

CHRISTOPH SCHMIDT/EPA

O Ministério da Saúde da Rússia quer erradicar o tabagismo no país e, para tal, quer proibir qualquer pessoa que nasceu depois de 2014 a fumar, mesmo quando chega a adulto. Segundo dá conta o El Mundo, a Rússia é um país de 143 milhões de habitantes onde, por ano, quase 400 mil morrem por doenças relacionadas com o tabaco, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Esta medida só entrará em vigor em 2033 e, supostamente, essa seria a primeira geração de russos a nascer sem qualquer índice de fumadores no país. Mas esta medida tem criado as suas controvérsias: sendo que cerca de um terço dos russos fumam e, sendo a Rússia um país que até há poucos anos era bastante tolerante ao tabaco, a medida criou surpresa.

Foi em 2013 que Vladimir Putin, que não fuma nem bebe álcool, lançou várias medidas contra a venda e distribuição de tabaco que, mais tarde, foi piorando: restrição da publicidade, dos pontos de vendas e dos espaços para fumar. E, segundo afirma o El Mundo, a medida do Governo Russo tem, efetivamente, sido eficaz, sendo que o número de fumadores com menos de 15 anos terá baixado de 25% para 9%. O aumento dos impostos e a crise também foram fatores que ajudaram.

Mas parece que estes valores ainda não são o suficiente e o próximo objetivo é acabar, de vez, com os fumadores no país. Até 2022, segundo as medidas do Ministério da Saúde, pretende-se igualar os cigarros eletrónicos aos cigarros comuns; aumentar a lista de lugares onde é proibido fumar e, a mais controversa, os trabalhadores que fumem têm que fazer mais horas.

Se, por um lado, há quem aprove as medidas, claro que erradicar com o tabagismo não é tarefa fácil. A industria tabaqueira não está contente e já vieram afirmam que esta medida é uma discriminação ao sector. Além do mais, afirmam que a adoção desta medida apenas fará com que o comércio ilegal vá crescendo, cada vez mais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)