Pedro Madeira Rodrigues anunciou esta sexta-feira que, caso seja eleito presidente do Sporting, Jorge Jesus não será o treinador da equipa de futebol. A integração de Jesus na Comissão de Honra de Bruno de Carvalho será a causa.

A decisão é conhecida um dia depois de o empresário de 45 anos ter anunciado a sua lista para a presidência do clube de Alvalade e ter garantido que Jorge Jesus continuaria no comando da equipa principal de futebol do Sporting. Ora foi também conhecido na quinta-feira, que o treinador dos leões iria integrar a Comissão de Honra de Bruno de Carvalho, atual presidente do clube e rival de Madeira Rodrigues na corrida presidencial, que decorre a 4 de março.

O candidato ao cargo de presidente ‘leonino’ não terá gostado de ver o nome de Jorge Jesus inscrito na lista de Bruno de Carvalho e voltou atrás na sua decisão de manter o treinador, caso fosse eleito.

“Ele escolheu um lado e isso tem consequências. A consequência imediata é que ele não será o meu treinador quando eu tomar posse a 4 de março”, afirmou Madeira Rodrigues.

Em conferência de imprensa, esta sexta-feira, na sede de campanha, o candidato presidencial dos leões disse ainda que já está a “procurar um treinador cujo perfil está identificado e que possa servir o Sporting para que o clube volte às vitórias e volte a ser ganhador”.

Relativamente à indemnização de 18 milhões de euros que clube terá de pagar, caso Jorge Jesus seja dispensado, Madeira Rodrigues apenas disse que “o problema está resolvido”.

“A partir do momento em que Jorge Jesus acaba por dizer, ao fazer parte da Comissão de Honra, que só trabalha com Bruno de Carvalho, quando eu tomar posse como presidente, ele vai apresentar a sua demissão. Se não acontecer? É o que vai acontecer, não me passa pela cabeça outro cenário”, mostrando-se irredutível relativamente ao possível despedimento de de Jorge Jesus.