As equipas de socorro retiraram, durante a madrugada, mais três sobreviventes dos escombros do hotel devastado na quarta-feira por uma avalanche no centro de Itália, após terem salvado na sexta-feira quatro crianças e uma mulher.

Os bombeiros anunciaram este sábado ter retirado, do que resta do hotel soterrado pela neve, duas mulheres e um homem por volta das 3h00 (2h00 em Lisboa).

Dois dos dez sobreviventes resgatados na sexta-feira pelas equipas de salvamento continuam, contudo, retidos no interior do hotel coberto por uma montanha de neve, dois dias depois da tragédia, os quais conseguem ver através de uma sonda telescópica.

As equipas de resgate procuram também incansavelmente 15 desaparecidos dos quais não vislumbraram ainda sinais de vida.

Este sábado, no decorrer das buscas, descobriram também o corpo sem vida de uma mulher. A vítima junta-se a outras duas, encontradas anteriormente, elevando para três o número de mortos.

Na sexta-feira, os socorristas conseguiram retirar dos escombros com vida e de boa saúde uma mulher e quatro crianças, todos encaminhados para um hospital.

Um menino de sete anos e a mãe foram salvos ao fim da manhã de sexta-feira da amálgama de neve e escombros do hotel Rigopiano, situado na encosta de uma montanha da região dos Abruzos.

Foram as roupas de inverno e os fatos de ski que permitiram aos sobreviventes resistir sob os escombros e a neve, explicaram à imprensa os médicos do hospital de Pescara, na costa adriática, para onde foram transportados.

As equipas de socorro referiram também o efeito “iglu”, que isolou da neve quem ficou retido no hotel.

Um primeiro grupo de seis sobreviventes foi localizado ao fim da manhã de sexta-feira numa bolsa de ar. Outras quatro pessoas foram em seguida encontradas, durante a tarde, noutro ponto.

“É um milagre”, exclamou perante a imprensa a tia de uma das crianças desaparecidas, ao saber que esta estava viva.

Os bombeiros divulgaram fotos da mãe e do menino a aparecerem, sob os aplausos dos socorristas, de um buraco aberto na neve para chegar ao hotel soterrado. A filha, de seis anos, foi resgatada com o grupo da tarde do mesmo dia, também ilesa.

O avanço das operações de busca, ainda muito lento na sexta-feira, estava a ser difícil devido ao risco de a estrutura desabar e de uma suavização das temperaturas aumentar mais ainda o risco de nova avalanche sobre o hotel.

O risco é elevado em todo o centro de Itália, onde se registam desde há dez dias nevões históricos e que foi atingido na quarta-feira por quatro fortes sismos com magnitude entre 5,2 e 5,7.

Além das vítimas do hotel, os abalos de terra fizeram pelo menos quatro mortos, três dos quais encontrados na sexta-feira.

Cerca de 7.000 pessoas mobilizaram-se para vir ajudar as vítimas do hotel soterrado, bem como as centenas de habitantes de aldeias isoladas e as dezenas de milhares de casas privadas de eletricidade, numa região que já estava com dificuldades em reerguer-se após os devastadores sismos de agosto e outubro.