Papa Francisco

Ministério da Saúde vai ter plano de contingência para a visita do Papa a Fátima

O Ministério da Saúde vai ter plano de contingência para a visita do Papa Francisco a Fátima, que inclui o apoio aos peregrinos e às entidades oficiais nas celebrações do Centenário das Aparições.

MAX ROSSI / POOL/EPA

O Ministério da Saúde vai ter um plano de contingência para a visita do Papa Francisco a Fátima, em maio, que inclui o apoio aos peregrinos e às entidades oficiais que participam nas celebrações do Centenário das Aparições.

Em despacho publicado esta segunda-feira no Diário da República, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, afirma que a “singularidade e a dimensão” do evento religioso “com o previsível aumento da afluência de peregrinos” e “o número e a diversidade de pessoas e instituições envolvidas e a extensa participação de altas entidades” devido à presença do Papa Francisco a 12 e 13 de maio fazem com que a proteção da saúde pública relacionada com o evento constitua “uma iniciativa da maior responsabilidade por parte do Estado”.

Assim, o Governo determina a constituição de uma comissão que será responsável por elaborar e acompanhar o Plano de Contingência do Ministério da Saúde, garantindo “uma resposta atempada, estruturada e eficaz no âmbito da saúde e da gestão dos seus recursos”.

De acordo com o despacho de Fernando Araújo, serão objeto de planificação “as situações previsíveis que requerem medidas específicas, como as de doença, com o impacto no aumento de afluência às estruturas de saúde locais”, e também as situações de exceção “potencialmente com múltiplas vítimas, incluindo de natureza traumática, biológica e química, ou outra”.

O plano incluirá um dispositivo que abranja os peregrinos “com a implementação de um sistema de vigilância epidemiológica que permita a deteção precoce de doenças antes, durante e na fase imediata após o evento”, e a acessibilidade a cuidados de saúde primários em patologias agudas não urgentes ou cuidados pré-hospitalares e hospitalares “nos casos urgentes e emergentes”.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) ficará responsável por “planear, dimensionar e implementar um dispositivo de apoio médico pré-hospitalar e de acompanhamento de altas individualidades” que será integrado no plano de contingência. O despacho governamental determina ainda que seja dada “especial atenção aos preparativos e mecanismos de resposta” dos hospitais situados em “maior proximidade” a Fátima, onde se incluem o hospital distrital de Santarém, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e os centros hospitalares de Leiria, Oeste, Médio Tejo e Lisboa Norte.

Já considerando a possibilidade da ocorrência de uma situação de exceção “que possa obrigar à mobilização nacional de meios mais diferenciados”, o despacho frisa que os planos de situação de catástrofe de “todos os hospitais universitários com urgência polivalente”, nomeadamente os do Porto, Coimbra e Lisboa Ocidental, “devem ser atualizados e testados”.

A comissão agora criada, que, para além do plano de contingência, fará o levantamento das necessidades e a avaliação de risco “com a respetiva planificação de meios e procedimentos de resposta no âmbito das comemorações do Centenário das Aparições de Fátima”, será presidida por António Marques da Silva, especialista em medicina de catástrofe e diretor do Departamento de Anestesiologia, Cuidados Intensivos e Emergência do Centro Hospitalar e Universitário do Porto.

Integram ainda a referida comissão, que vai funcionar junto do gabinete do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, outros dez elementos, em representação da Direção-Geral de Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde, administração regionais de saúde do Norte, Centro e Lisboa e Vale do Tejo, Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), INEM, Instituto Ricardo Jorge, Instituto Português do Sangue e Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

O despacho sustenta ainda que a comissão criada pelo ministério da Saúde “deve assegurar a necessária articulação” com os serviços e organismos dos ministérios dos Negócios Estrangeiros, Defesa Nacional, Administração Interna e Economia, bem como com o Santuário de Fátima e Conferência Episcopal Portuguesa “e dar especial relevo à auscultação e participação das câmaras municipais da área geográfica circundante ao Santuário”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia
140

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)