Rádio Observador

Portagens

Condutores já podem “fugir” ao pórtico de portagem na A29 em Gaia

4.723

Os condutores vão poder evitar, a partir desta terça-feira, a portagem na A29 em Gulpilhares, graças ao término da via alternativa projetada pela Câmara Municipal.

A polémica começou em 2010 quando o Governo decidiu introduzir pórticos de cobrança de portagens em várias das antigas SCUT

ARMÉNIO BELO/LUSA

Os condutores podem evitar, a partir desta terça-feira, o pórtico de portagem da A29 em Gulpilhares, Gaia, graças à conclusão da via alternativa projetada pela câmara municipal que assim deu uma resposta local a um “disparate central”. “Foi uma resposta local a um disparate central. Ninguém compreendia, e não compreende, a localização deste pórtico. Em primeiro lugar porque a autoestrada foi construída em cima da estrada nacional”, afirmou o presidente da câmara, Eduardo Vítor Rodrigues.

A polémica começou em 2010 quando o Governo decidiu introduzir pórticos de cobrança de portagens em várias das antigas SCUT (sem custos para o utilizador), incluindo a A29 que liga Porto a Aveiro.

Um dos pórticos da A29 foi colocado em Gulpilhares naquela que é a única via municipal de acesso às freguesias mais a sul do concelho de Gaia, motivando vários protestos e levando então muitos automobilistas a desviarem o seu percurso por ruas mais interiores do concelho para evitar o pagamento.

“Foi muito injusto o modelo que aqui foi seguido. Na altura tudo foi permitido”, criticou o autarca, recordando que quando tomou posse, em 2013, deu início a um “processo negocial tranquilo, numa base de diálogo, explicando os factos, fazendo perceber que também não estava em causa nenhuma perda financeira significativa para o concessionário”.

Mesmo durante a campanha para as autárquicas em 2013, o agora presidente da câmara chegou a propor a criação da alternativa viária à antiga SCUT, uma promessa que vê agora cumprida com a inauguração hoje do troço alternativo. “É uma alternativa paralela à autoestrada que permite que os moradores, fazendo um pequeno desvio para o interior de Gulpilhares, acedam às praias e à zona de habitação sem terem que passar por pórtico”, destacou o autarca, explicando que este desvio retoma um acesso antigo “que tinha ficado obstruído pela própria ocupação da autoestrada”.

As obras, com um custo global de cerca de 200 mil euros, arrancaram em setembro do ano passado, depois de “um processo de expropriação amigável” e da aquisição de uma parcela de terreno que permitiu a construção da nova via.

“Foi uma solução encontrada para o trânsito local, que é o que nos importa neste momento. É não onerar as pessoas que aqui moram, os moradores da zona de Gulpilhares, Valadares e pessoas que se dirigem para São Félix da Marinha e para Arcozelo”, assinalou Vítor Rodrigues.

O autarca realçou ainda que a obra irá já a partir desta terça-feira ter “repercussões na vida das pessoas” que graças a esta via, de ligação da Rua da Ameixoeiras à Avenida Combatentes do Ultramar Português, conseguirão desviar-se do pórtico e assim evitar a cobrança de taxas entre os 0,45 euros e os 1,10 euros. “O município é o ator decisivo para a resolução dos pequenos problemas dos cidadãos e este (…) inscreve-se naquilo que são o leque das pequenas obras, das pequenas intervenções que têm grande reflexo no dia-a-dia dos cidadãos”, sublinhou.

Esta obra, acrescentou Vítor Rodrigues, “insere-se num projeto já em curso de reabilitação de toda a rede viária envolvente, da qual sobra a rua das Moutadas, que é a etapa final”. A inauguração da via de ligação da rua das Ameixoeiras à Avenida dos Combatentes do Ultramar, em alternativa ao pórtico da A29 em Gulpilhares, está marcada para esta terça-feira pelas 11h.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)