António Costa

Costa quer urgência na reforma do euro com criação de um Fundo Monetário Europeu

478

O primeiro-ministro defendeu a urgência da reforma do euro contra os protecionismos e populismos, considerando essencial um Fundo Monetário Europeu para gestão das dívidas soberanas.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O primeiro-ministro defendeu, esta terça-feira, a urgência da reforma do euro contra os protecionismos e populismos, considerando essencial um mecanismo supranacional de estabilização contra choques assimétricos e um Fundo Monetário Europeu para gestão das dívidas soberanas.

António Costa falava na sessão de encerramento de um seminário de alto nível intitulado “Consolidar o euro, promover a convergência”, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, num discurso em que aludiu aos perigos inerentes ao crescimento das assimetrias no espaço europeu e em que procurou afastar a ideia de que a reforma da zona euro por si preconizada signifique inevitavelmente menos disciplina ou mais exceções entre Estados-membros.

Entre outras medidas que preconizou para a reforma da arquitetura da zona euro, o líder do executivo português sustentou que “importa assegurar a evolução do Mecanismo Europeu de Estabilidade na direção de um Fundo Monetário Europeu, explorando a sua ação no apoio à gestão mais eficiente das dívidas soberanas”.

Logo nas suas primeiras palavras, o primeiro-ministro esclareceu no plano político qual a sua conceção sobre a existência da moeda única, considerando que “o euro é uma das principais realizações do processo de construção europeia”.

Construir o euro é construir a Europa e defender o euro é defender a Europa — defender uma União que garante há 60 anos a paz e a prosperidade entre os povos europeus”, declarou, antes de justificar a urgência de uma reforma na arquitetura da zona euro.

“Os europeístas responsáveis não podem ficar paralisados perante a ascensão do nacionalismo, do protecionismo, do populismo e da xenofobia. A União precisa de um novo ciclo virtuoso de crescimento e de convergência. A Europa só pode responder aos presentes desafios se estiver mais unida”, salientou.

Neste contexto, em defesa de uma reforma do euro, o líder do executivo português deixou uma série de advertências, dizendo então que “não basta o voluntarismo político” e que “sem uma revisão dos princípios e dos mecanismos da União Económica e Monetária (UEM) e sem uma melhor articulação entre as políticas monetárias, as políticas orçamentais e os incentivos económicos a zona euro não conseguirá ultrapassar de vez a crise persistente, económica, social e de legitimidade política, que a fragiliza”.

É verdade que hoje a União Europeia está mais bem preparada que em 2008. Mas não podemos correr o risco do sucesso conjuntural criar a ilusão que os problemas estruturais e congénitos do euro estão resolvidos”, advertiu ainda.

Num recado dirigido a responsáveis de Estados-membros da Europa do Norte, o primeiro-ministro frisou que a necessidade de reforma do euro não é apenas necessidade de um país mas de todos e que este processo não pode ser encarado como “motivo de divisão ou confronto entre Estados membros”.

Neste ponto, António Costa fez mesmo questão de frisar que, na sua perspetiva, a reforma do euro “não passa por menor disciplina orçamental nem pela multiplicação de exceções às regras”, mas, antes, “por regras comuns que a todos sirvam”.

O primeiro-ministro defendeu depois que, para que haja na realidade uma moeda comum a todos os Estados-membros da zona euro, é preciso “completar a política de coesão com um programa para a convergência económica e social”.

Um programa, segundo Costa, caraterizado por coordenação das políticas orçamentais dos diferentes Estados-membros – que, por sua vez, terão de estar coordenadas com a estratégia do Banco Central Europeu; pelo aumento da dimensão do Plano Juncker; pela adoção de planos especiais de discriminação positiva para os países que cumpriram programas de ajustamento após a crise de 2008; e pelo reforço da capacidade orçamental própria da UEM, tendo em vista responder a crises e choques financeiro.

Aqui, António Costa sustentou que devem existir “estabilizadores automáticos de alcance europeu, através, por exemplo, da cobertura da eventualidade do desemprego ou de programas de formação e reinserção no mercado de trabalho”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
449

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Governo

O governo de Sócrates é o maior problema de Costa

João Marques de Almeida
352

A transformação do ‘problema Sócrates’ no ‘problema do governo Sócrates’ será o maior obstáculo a uma maioria absoluta do PS em 2019 - pois afinal foi numa maioria absoluta do PS que tudo aconteceu.

Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Arrendamento

As casas a quem as trabalha

Maria João Marques

Não se percebe bem se é um grande amor socialista pela homeopatia – vamos lá provocar a escassez de casas para combater a escassez de casas – se é mesmo uma reforma agrária agora em versão urbana. 

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Pedro Barros Ferreira

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. 

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site