Os seis ocupantes do helicóptero que tentava resgatar um ferido numa estância de esqui na província italiana de L’Aquila morreram, confirmaram as autoridades no terreno.

De acordo com o Corriere della Sera, o helicóptero voava a uma altitude de 600 metros e preparava-se para resgatar uma pessoa que se tinha ferido numa estância de esqui. Pouco tempo depois de ter iniciado viagem, testemunhas que estavam no local contam que se ouviu um estrondo. As causas que levaram à queda do helicóptero de socorro ainda são desconhecidas, no entanto o mau tempo é a causa que está a ser associada. Devido ao nevoeiro a visibilidade era muito reduzida.

A confirmação da morte de todos os ocupantes do helicóptero de resgate foi avançada pelo jornal La Repubblica no twitter:

A polícia italiana tinha afirmado que o aparelho caiu perto da estância de Campo Felice, durante uma missão para retirar um esquiador ferido.

“A área onde [o helicóptero] caiu é de difícil acesso mesmo com o melhor tempo. O forte nevoeiro está a tornar tudo ainda mais difícil”, disse à agência France Presse um porta-voz da polícia.

“Várias equipas estão a tentar chegar ao local”, acrescentou. O helicóptero emitiu um sinal de alerta para colisão e a polícia recebeu testemunhos de pessoas que ouviram uma grande explosão. Campo Felice fica perto do epicentro dos recentes sismos e da avalanche na semana passada.

Inicialmente apenas se tinha confirmado a morte de duas pessoas que iam a bordo: o médico e um técnico.

O local onde ocorreu o desastre de helicóptero trata-se de uma pequena estância que é bastante popular entre os habitantes de Roma que tiram o dia para ir esquiar. A capital italiana fica a apenas 120 quilómetros a Leste de Campo Felice. A estância situa-se a 710 metro de altitude, mas a área das pistas de esqui vai até altitudes superiores a 2.000 metros. A polícia realçou que não há qualquer ligação deste acidente com a recente atividade sísmica ou com a avalanche.

Os primeiros tweets com imagens do local:

A queda do aparelho ocorre numa altura em que as equipas de emergência – bombeiros, polícia de montanha e outros serviços especializados – estão envolvidos em ações de resgate e buscas na sequência dos sismos, das maiores nevadas das últimas décadas em Itália e da avalanche que soterrou o hotel Rigopiano na região da montanha Gran Sasso, em Abruzzo, na quinta-feira passada.