A equipa de Paulo Macedo, ex-ministro da Saúde de Pedro Passos Coelho, já tem aprovação do Banco Central Europeu (BCE) para a administração da Caixa Geral de Depósitos, confirmou o Ministério das Finanças.

Para além do presidente executivo, foram aprovados os nomes de Rui Vilar (presidente não executivo) de seis administradores da comissão executiva: Francisco Cary, João Tudela Martins — o único administrador executivo que fica da equipa antecessora, José de Brito, José João Guilherme, Maria João Carioca e Nuno de Carvalho Martins. Esta equipa tem mandato até 2020 e toma posse a 1 de fevereiro (próxima quarta-feira).

Completada agora a nomeação dos administradores executivos, serão submetidos ao BCE, e sujeitos ao processo de avaliação de idoneidade e adequação, os administradores não executivos, adianta o Ministério das Finanças em comunicado.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, adiantou há uma semana que a aprovação dos novos administradores da Caixa Geral de Depósitos estava bem encaminhada e que a sua tomada de posse estaria por dias, o que se veio a confirmar-se esta quarta-feira.

A informação de que os primeiro oito nomes da administração da Caixa foram aprovados pelo BCE foi avançada pelo jornal económico ECO e Jornal de Negócios, segundo o qual o conselho de administração final deverá contar com 16 pessoas.

O processo de avaliação dos nomes indicados pelo acionista, o Governo, para administradores não executivos vai passar por uma comissão de avaliação que será composta por Rui Vilar, o presidente do conselho de administração, e por dois membros do conselho fiscal da Caixa que é liderado por Guilherme d’Oliveira Martins. Será a partir da avaliação feita pela própria Caixa que o BCE irá fazer o seu juízo dos candidatos.

Soube-se em dezembro que Paulo Macedo ia substituir António Domingues na liderança do banco público. O seu nome e dos outros administradores executivos foram enviados para avaliação do Banco Central Europeu antes do último Natal.