CPLP

Portugal prevê realizar programas de cooperação com países da CPLP no valor de 128 milhões de euros

Portugal tem uma perspetiva de realizar este ano programas de cooperação com países da CPLP na ordem dos 128 milhões de euros.

ANTÓNIO AMARAL/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Portugal tem uma perspetiva de realizar este ano programas de cooperação com países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) na ordem dos 128 milhões de euros, disse esta quarta-feira a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação.

Portugal tem procurado de uma forma consistente alavancar fundos de cooperação delegada para reforçar a sua capacidade financeira nos programas de cooperação nos PALOP (Países Africanos de Língua Portuguesa) e em Timor-Leste”, disse Teresa Ribeiro.

A secretária de Estado falava durante o seminário “A Cooperação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa no Quadro da União Europeia, que instrumentos”, realizado esta quarta-feira na Assembleia da República.

Neste sentido, este ano, e ao contrário do que vinha acontecendo no passado, nós temos já a perspetiva de realização, de execução, de um conjunto de programas na ordem dos 128 milhões de euros, que permitirão em diversas áreas executar programas de cooperação”, afirmou Teresa Ribeiro.

De acordo com a secretária de Estado, estão em causa “programas na área da formação profissional, na área da segurança alimentar, na área da governação económica, enfim, em muitas outras áreas, quer em Angola, quer em São Tomé e Príncipe, quer na Guiné-Bissau, quer em Cabo Verde”.

“Temos um programa de bolsas que vai ser proximamente lançado”, disse ainda Teresa Ribeiro.

“Neste programa de bolsas o que queremos é associar o setor o privado, não tanto pela contribuição financeira que possam trazer ao programa, assim aumentando a sua capacidade, mas sobretudo porque trazem ao programa a dimensão do mercado e facilitam a integração daqueles que serão bolseiros nos mercados quando acabarem a sua formação, colocando-os em conexão direta com o emprego de que poderão beneficiar-se no futuro”, sublinhou.

A secretária de Estado disse ainda que a Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento (SOFID), até março, terá um novo plano estratégico.

A nossa ambição é que a SOFID, de facto, em março tenha já o seu plano estratégico e que isso possa coincidir também com a sua articulação com o Fundo Europeu do Desenvolvimento Sustentável, que está neste momento em discussão no Parlamento, que estará operacional ainda este ano”, referiu ainda Teresa Ribeiro.

“Esperamos que a SOFID possa plenamente cumprir a sua missão enquanto banco de desenvolvimento, não apenas confinada aos fundos nacionais, mas ao contrário, capaz de captar outros fundos existentes nas (organizações) multilaterais, com outro volume financeiro importante para os grandes projetos”, acrescentou a secretária de Estado.

No mesmo seminário, o diretor da cooperação da CPLP, Manuel Lapão, disse que o bloco lusófono deverá candidatar-se a uma auditoria, no âmbito da União Europeia, para que a organização lusófona possa gerir recursos em nome da União Europeia na execução de programas de cooperação nos países lusófonos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)