É certo e sabido que os SUV são, fundamentalmente, um fenómeno de moda, e que a maioria dos seus utilizadores não tem qualquer pretensão a sujeitá-los a grandes provações fora do asfalto. Essa é a regra.

Mas também há os clientes deste segmento que não dispensam aceder a um veículo capaz de lhes proporcionar uma utilização mais polivalente e aventureira. E foi a pensar neles que a Skoda criou a mais recente variante do seu primeiro SUV. Chama-se Kodiaq Scout, a designação que a marca checa tradicionalmente utiliza nas suas propostas mais polivalentes (e que surge em destaque nos guarda-lamas e na tampa do porta-luvas), e será oficialmente revelado já no início de Março, no Salão de Genebra.

Como é da norma nestes casos, começa por distinguir-se pela sua aparência mais robusta, destinada a enfatizar as suas aptidões TT e garantida pelas protecções da carroçaria de cor contrastante – sejam as aplicações em plástico cinza escuro nos pára-choques, nas saias laterais e nos guarda-lamas, sejam as protecções inferiores da carroçaria, dianteiras e traseiras, prateadas. Ajudam a compor o visual os vidros traseiros escurecidos, as molduras da grelha e das janelas, as barras do tejadilho e as caixas dos espelhos prateadas, e as jantes de 19” de desenho exclusivo propostas de série.

Continuando a propor uma lotação de cinco ou sete lugares (esta última opcional), o Kodiaq Scout tem por base o nível de acabamentos Ambition, ao qual foram adicionados alguns elementos. É o caso do Off-Road Assist, do controlo electrónico de descidas HDC, do pack Rough-road (protecção inferior da carroçaria e do motor) e dos sensores de estacionamento dianteiros e traseiros. De resto, fazem parte do equipamento de série dispositivos como o selector dos modos de condução (Eco, Comfort, Normal, Sport, Individual e Snow), a iluminação interior por LED, os bancos em Alcantara ou a pedaleira metálica.

Em termos de motores, estão disponíveis quatro opções. A oferta a gasolina inclui as unidades 1.4 TSI de 150 cv (9,8 segundos nos 0-100 km/h, 197 km/h de velocidade máxima, consumo combinado de 6,8 l/100 km) e 2.0 TSI de 180 cv (8,0 segundos nos 0-100 km/h, 207 km/h de velocidade máxima, consumo combinado de 67,3 l/100 km). Entre os diesel, são propostas as variantes de 150 cv (9,5 segundos nos 0-100 km/h, 197 km/h de velocidade máxima, consumo combinado de 5,3 l/100 km) e 190 cv (8,9 segundos nos 0-100 km/h, 210 km/h de velocidade máxima, consumo combinado de 5,7 l/100 km) do “inevitável” 2.0 TDI.

Ainda assim, um dos principais atributos do novo Kodiaq Scout é mesmo o sistema de tracção integral, que faz parte do equipamento de série de todas as suas variantes, e em que uma embraiagem multidiscos, montada antes do diferencial traseiro (no final do veio de transmissão), garante a repartição do binário entre os dois eixos. Este é o principal garante da progressão em terrenos que não o asfalto, a que há que juntar uma altura ao solo de 194 mm e ângulos característicos favoráveis: de ataque de 22,0°, de saída de 23,1° e ventral de 19,7°.

Já o modo de utilização Off-Road Assist, seleccionável através da simples pressão num botão, ajusta vários componentes do Kodiaq Scout a uma utilização TT. A resposta do acelerador passa a ser mais lenta, a electrónica permite uma certa patinagem das rodas e o diferencial de bloqueio electrónico EDL reage de forma mais rápida – ao mesmo tempo que o opcional sistema de amortecimento pilotado DCC, quando instalado, adopta um modo de funcionamento condicente.