Competitividade

Passos Coelho: investimento chinês tem “muita relevância em Portugal”

173

Pedro Passos Coelho considera que o investimento chinês tem "muita relevância em Portugal". O líder do PSD referia-se sobretudo aos processos de reprivatização.

"Só posso cumprimentar os investidores chineses por terem apresentado melhores propostas"

MÁRIO CRUZ/LUSA

O líder do PSD aproveitou as comemorações do novo ano chinês para “cumprimentar os investidores chineses” pelo esforço de investimento que fizeram nos últimos anos, sobretudo durante o período de crise que o país viveu.

Num discurso em que agradeceu o convite da Liga Portuguesa dos Chineses em Portugal que, esta noite, juntou cerca de 200 pessoas no Casino da Póvoa de Varzim para comemorar o novo ano chinês, Pedro Passos Coelho falou da importância do investimento externo e sublinhou a grande “relevância” do investimento chinês em Portugal, sobretudo olhando para os processos de reprivatização.

“[O investimento chinês foi] aquele a que esteve associado a propostas com mais mérito e que acrescentavam mais valor às operações que estavam a ser desenvolvidas. Portanto só posso cumprimentar os investidores chineses por terem apresentado melhores propostas, com mais ambição e com mais qualidade do que os outros fizeram”, resumiu.

Esta é a segunda vez em pouco tempo que um líder da oposição aproveita as comemorações do ano novo chinês para elogiar o esforço dos empresários chineses. E mais uma vez com o Casino da Póvoa de Varzim como palco. Em 2015, António Costa, então candidato a primeiro-ministro, agradeceu a confiança e o investimento chineses, deixando escapar uma frase que viria a persegui-lo politicamente durante algum tempo. “Os investidores chineses disseram ‘presente’, vieram, e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar na situação em que está hoje, bastante diferente daquela em que estava há quatro anos”.

E por falar em António Costa, o líder social-democrata tinha um conselho para o primeiro-ministro: Portugal está a “perder competitividade” e é preciso reservar mais atenção aos investidores que procuraram o país.

“Podemos em conjunto fazer muito mais do que foi feito até hoje. Apesar de já não estar no Governo, não tenho dúvidas em afirmar que as autoridades portuguesas podem empenhar-se um pouco muito mais em fazer um melhor acompanhamento de todos aqueles que escolheram Portugal para viver, trabalhar e investir”, disse Pedro Passos Coelho.

Para Pedro Passos Coelho, é possível “fazer muito mais do que foi feito até hoje”. “É verdade que conseguimos fixar muito desse investimento, mas também é verdade que me parece que estamos a perder agora um bocadinho de competitividade”, declarou o ex-primeiro-ministro.

Assim, o líder do PSD aconselhou o Governo a “reservar uma parte do rendimento que extraiu” para qualificar os serviços de apoio e de acompanhamento aos empresários porque, lamentou, “muitos desses investidores que procuraram Portugal nem sempre encontram a resposta mais atempada para as preocupações que têm”.

Por fim, depois de reservar grande parte do discurso à economia, Passos Coelho vincou que “relação cultural, a política, é também decisiva em muitos aspetos”.

“Na ordem global estamos a assistir a várias forças que se jogam no sentido de proteger mais as economias, de exacerbar mais alguns traços de nacionalismo que acabarão inevitavelmente para caminhos de maior fechamento das sociedades. Nós sabemos historicamente que esses processos de fechamento que começa por ser comercial, económico, acaba por ser um processo de fechamento social, cultural e político”, defendeu, temendo que isto se traduza num “retrocesso”.

Já o presidente da Liga Portuguesa dos Chineses em Portugal, Y Ping Show, destacou aspetos da cultura chinesa, falou da importância de uma “boa integração” no país e frisou a relevância de negócios e parcerias conjuntas e, ao longo da noite, entregou galardões de mérito e reconhecimento a pessoas ou instituições que contribuem exatamente para a integração da comunidade chinesa em Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Globalização

E se pagar 50% de IVA fosse uma boa ideia?

Luís Aguiar-Conraria
1.286

Com a globalização, a esquerda tem de entender que a competitividade não é uma questão fútil e a direita tem de compreender que políticas de redistribuição são uma necessidade e não uma escolha.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)