Viana do Castelo

Associação crítica sinalização do Caminho de Santiago em centro histórico de Viana do Castelo

A Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Viana do Castelo manifestou "total desagrado" pela forma como foi colocada, no centro histórico de Viana, a sinalização do Caminho de Santiago.

JOSE COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Viana do Castelo manifestou esta terça-feira “total desagrado” pela forma como foi colocada, no centro histórico da capital do Alto Minho, a sinalização do Caminho de Santiago (Galiza) pelo litoral.

Qualquer peregrino que chega à cidade pela ponte Eiffel não encontra a sinalização, bem como em quase toda a cidade. A placa de sinalização adotada e colocada no chão não é visível. Não foi seguido nenhum critério orientador da placa, estão demasiado distantes entre si, umas colocadas do lado direito da rua e outras do lado esquerdo”, sustentou aquela associação, em comunicado.

Em causa está a candidatura “Valorização dos Caminhos de Santiago — Caminho Português da Costa”, de Viana do Castelo e nove municípios do litoral norte, que até 2018 vão investir cerca de 1,6 milhões de euros na valorização do Caminho português da Costa a Santiago, tendo em vista a candidatura daquele itinerário religioso a património mundial da Unesco.

O projeto conjunto, financiado em 85% por fundos do Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020, abrange aquele percurso religioso desde a Sé do Porto até à ponte centenária em Valença. A candidatura junta os municípios do Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Viana do Castelo explicou que “a sinalização que está a ser colocada nos dez concelhos envolvidos na candidatura está de acordo com as regras definidas pelo Conselho da Europa”.

O socialista José Maria Costa acrescentou que, “nos centros históricos, em vez de sinalização vertical é utilizada sinalização horizontal, por indicação da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN).

A sinalização que está a ser utilizada em todos os dez concelhos abrangidos por este projeto e é, exatamente, a sinalização que também está colocada em Santiago de Compostela”, frisou.

Aquela associação lamentou ainda “ter-lhe sido negada a possibilidade de ter tido voz ativa na elaboração daquela candidatura”, considerando que com a sua participação no processo “teriam sido evitados os problemas com a colocação da sinalética” naquele percurso religioso.

As prioridades no processo de candidatura podiam ter sido outras que respondessem mais às necessidades do peregrino mas tal não foi possível”, sustentou a associação naquela nota.

A candidatura dos prevê “a uniformização da sinalética no Caminho, a promoção do evento cultural “Sons no Caminho”, a criação de um logótipo, guias e brochuras e de um ‘website’ e aplicação móvel, a publicação de um livro científico, a requalificação de espaços, a produção audiovisual sobre o Caminho e um seminário final com os resultados do projeto”.

A rede intermunicipal “vai permitir potenciar a comunicação e promoção do Caminho Português da Costa através de uma imagem de marca única, de uma comunicação unificada, com clara racionalização de recursos, permitindo fazer mais e melhor por menos”.

Os dez municípios do litoral norte sublinham que “o Caminho Português a Santiago é o segundo percurso mais percorrido, a seguir ao francês, e tem registado um crescimento consolidado com crescente interesse nacional e internacional”.

A candidatura conjunta resultou de “um trabalho desenvolvido pelos pelouros da Cultura dos dez municípios abrangidos pelo traçado” e que envolveu também técnicos da Área Metropolitana do Porto e das Comunidades Intermunicipais (CIM) do Cávado e Ave e do Alto Minho que foi validado pela Direção Regional da Cultura do Norte (DRCN).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)