Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Confrontos na Ucrânia são uma violação flagrante do cessar-fogo

Os novos confrontos no leste da Ucrânia são uma "violação flagrante do cessar-fogo" imposto pelos acordos de Minsk e devem terminar imediatamente, defendeu o Serviço de Ação Externa da União Europeia.

IGOR KOVALENKO/EPA

Os novos confrontos no leste da Ucrânia são uma “violação flagrante do cessar-fogo” imposto pelos acordos de Minsk e devem terminar imediatamente, defendeu esta terça-feira o Serviço de Ação Externa da União Europeia (UE).

Os combates intensos em torno de Avdiivka nos últimos dias, que implicam um pesado bombardeamento com armas proibidas e causam um grande número de vítimas, são uma violação flagrante do cessar-fogo estipulado nos acordos de Minsk”, lê-se no comunicado.

O comando militar ucraniano denunciou esta terça-feira novos bombardeamentos massivos contra a cidade de Avdiivka, cerca de 15 quilómetros ao norte de Donetsk, o principal reduto dos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

“As tropas de ocupação atacaram na noite passada os arredores de Avdiivka com mísseis Grad (…) várias casas foram destruídas”, segundo o quartel-general das tropas ucranianas deslocadas na região do conflito.

De acordo com o comunicado do comando militar, publicado na rede social Facebook, os separatistas lançaram mais de 80 mísseis Grad contra as posições das tropas ucranianas em Avdiivka, zona onde as ações militares recrudesceram nos últimos dias.

O agravamento da situação obrigou o Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, a interromper a sua visita oficial à Alemanha na noite de segunda-feira.

Segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, que responsabiliza as “tropas de ocupação russas” pelo ataque, os bombardeamentos deixaram as cidades de Avdiivka e Yasinovataya sem eletricidade.

Nesta região mais de 400.000 pessoas ficaram sem eletricidade, água e aquecimento”, de acordo com uma declaração do ministério divulgada na segunda-feira.

“Estas ações do Kremlin podem ser qualificadas como um crime de guerra, já que violam a Convenção de Genebra”, segundo o ministério, apelando à comunidade internacional que pressione a Rússia para por fim à escalada de violência e evitar uma catástrofe humanitária. Em dois dias, oito militares ucranianos morreram e outros 26 ficaram feridos, segundo aquele ministério. Por seu lado, a chefia das milícias pró-russos da autoproclamada República Popular de Donetsk assegurou hoje que entre domingo e segunda-feira as tropas ucranianas sofreram 78 baixas mortais.

Quase dois anos depois da assinatura dos acordos de Minsk para a paz na Ucrânia, os combates continuam esporadicamente na zona de conflito e as partes estão longe de cumprir com o pacto mediado pela Rússia, França e Alemanha.

Os acordos contemplam, para além do cessar-fogo, a concessão de um estatuto de governo especial da região separatista pró-russa, a reforma constitucional e a celebração de eleições locais e nos territórios separatistas.

Kiev, no entanto, nega-se a avançar com a parte política dos acordos sem recuperar o controlo de trechos da fronteira com a Rússia, que estão nas mãos dos rebeldes.

Segundo dados da ONU, em quase três anos de conflito na Ucrânia, foram mortos em torno de 10.000 pessoas, entre combatentes e civis.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)