Os comunistas vão receber, esta quinta-feira às 14 horas, no Parlamento, as organizações que representam os trabalhadores da Carris e que exigiram esclarecimentos sobre a apreciação parlamentar pedida pelo PCP do decreto sobre a municipalização dos serviços da empresa.

O encontro foi pedida na manhã desta segunda-feira, com carácter de urgência, depois de uma reunião da comissão de trabalhadores e os sindicatos da empresa de transportes da área urbana de Lisboa, que apoiam a passagem da gestão da empresa para a Câmara Municipal. A decisão é, no entanto, contestada pelos comunistas que avançaram mesmo com um pedido de apreciação parlamentar do decreto do Governo que o determinou, mas sem dizerem o que pretendem fazer: se apresentam propostas de alteração ou se o querem revogar.

A iniciativa comunista suscitou uma invulgar contestação de trabalhadores e sindicatos, que querem que o partido esclareça as razões para avançar agora com esta iniciativa parlamentar, temendo que este sobressalto possa travar o processo de municipalização que se efetiva a partir de um de fevereiro. A reunião entre as partes vai acontecer um dia depois de o decreto do Governo, que foi promulgado pelo Presidente da República a 30 de dezembro, entrar em vigor.

A questão volta ainda a dividir a maioria que suporta o Governo no Parlamento, com os comunistas a voltarem a contestar no Parlamento uma decisão do Governo. No caso da Carris, o PCP defende que a empresa se mantenha no setor empresarial do Estado.