Quatro pessoas foram colhidas esta tarde pelo mar na zona da Costa Nova, Aveiro, e uma delas continua desaparecida. No total, dez pessoas foram apanhadas pelo mau tempo. As pessoas passeavam junto ao mar — outra hipótese é estarem a participar num ritual religioso — quando foram apanhadas por uma onda, apesar dos alertas das autoridades para os riscos dos passeios na costa devido ao mau tempo.

Três pessoas foram resgatadas, mas uma das vítimas continua desaparecida — segundo o JN, uma mulher de 40 anos. Numa informação de última hora, a SIC Notícias dava conta de que as pessoas foram colhidas por uma onda quando passeavam junto ao mar, na zona da Costa Nova, distrito de Aveiro. As três pessoas resgatadas ficaram feridas e precisaram de receber cuidados médicos.

O acidente aconteceu por volta das 20h. As 10 pessoas estavam próximas da costa a observar a agitação marítima provocada pelo mau tempo — contrariando as indicações das autoridades — quando quatro delas foram colhidas. Três acabaram por escapar à força do mar mas uma das vítimas acabou por cair ao mar e desaparecer.

“Tivemos dez pessoas que vieram observar o mar. Quatro aproximaram-se de mais e foram arrastadas. Três delas saíram da água e uma senhora, com cerca de 40 anos, está desaparecida”, disse à Lusa o comandante da Capitania do Porto de Aveiro, Carlos Isabel.

À TSF, o presidente da câmara de Ílhavo explicou que as pessoas colhidas foram “para a zona de esporões, que não tem acessibilidade para o que seja, não tem ligação a nada, não tem um bar próximo, é uma zona perfeitamente deserta”. Fernando Caçoilo lamenta “a postura” das vítimas. “Não se percebe como quatro pessoas vão para ali com o temporal previsto, andam a brincar com o mar”.

Sem certezas quanto às razões que levaram as vítimas a estar naquele local, as autoridades admitem que a explicação pode passar por um ritual religioso que estaria a decorrer junto ao mar. “Tivemos relatos iniciais nesse sentido, mas não podemos estar a levantar falsas suspeitas enquanto não tivermos os factos todos apurados”, disse o comandante Carlos Isabel.

No local estão vários carros dos bombeiros de Ílhavo, uma equipa do INEM e elementos da Polícia Marítima. Depois de os feridos terem sido assistidos, as autoridades marítimas concentram-se agora nas operações de busca da mulher desaparecida. Uma ação dificultada pelo mau tempo que continua a fazer-se sentir no local, com ondas violentas a embater contra a costa. “Estamos a fazer buscas por terra, temos o nosso senhor dos navegantes, a embarcação salva-vidas, a tentar sair da barra”, mas as ondas com sete metros de altura estão a dificultar essa saída, relatou à SIC Notícias Carlos Isabel. Dentro de meia hora, os meios deverão ser reforçados com a chegada do EH-101 da Força Aérea.

Prevendo a agitação marítima provocada pelo mau tempo, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou sete distritos sob aviso vermelho — Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa — a partir do meio da tarde e ao início da madrugada.

Até ao início da noite, tinham-se registado 201 ocorrências devido ao mau tempo (a maior parte respeitante a quedas de árvores, andaimes e painéis de publicidade), segundo dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). Viana do Castelo, Braga e Porto foram os distritos mais afetados.