Presidente Trump

Donald Trump volta atrás em Israel e põe um travão com a Rússia

192

No mesmo dia em que teve um telefonema desastroso com o primeiro-ministro australiano, Donald Trump recuou em relação a Israel e à Rússia. O The New York Times diz que Trump segue políticas de Obama.

Nas Nações Unidas, a nova embaixadora dos EUA criticou a "ocupação" russa da Ucrânia e falou da manutenção das sanções

Getty Images

Quinta-feira foi um dia agitado, com avanços e recuos na política externa norte-americana. Depois de o dia de Donald Trump ter começado com um telefonema atribulado com o primeiro-ministro da Austrália, os EUA fecharam aquelas 24 horas com alguns recuos diplomáticos e políticos em relação a Israel, à Rússia e também ao Irão. Para o The New York Times, Donald Trump está agora a “abraçar” alguns dos “principais pilares” da política externa de Barack Obama.

Em relação a Israel, a Casa Branca emitiu um comunicado ao final da noite onde se opunha à construção de novos colonatos judaicos. Esta foi uma posição que levou Donald Trump a criticar abertamente a administração de Barack Obama, quando esta permitiu a aprovação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU de repúdio à construção de colonatos judaicos. Segundo aquela resolução, o avanço dos colonatos defendidos pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, comprometiam a concretização dos esforços pela paz naquela região.

Nessa ocasião, Donald Trump escreveu o seguinte no Twitter: “A grande perda para Israel nas Nações Unidas vai tornar muito mais difícil uma negociação por paz. É uma pena, mas nós vamos tratar do assunto na mesma!”.

Este tom — e também o conteúdo — contrasta com o do comunicado divulgado esta quinta-feira pela Casa Branca, onde a administração de Donald Trump acabou por defender a mesma ideia que Barack Obama defendeu. “Embora não acreditemos que a existência de colonatos seja um impedimento para a paz, a construção de novos colonatos ou a expansão dos colonatos existentes além das suas fronteiras atuais poderá não ser útil para esse objetivo ser cumprido”, lê-se no comunicado.

No mesmo texto, é dito que Donald Trump “espera conseguir a paz ao longo da região do Médio Oriente” e que esse será um tema a tratar com Benjamin Netanyahu, que estará de visita aos EUA a 15 de fevereiro. Pouco depois da tomada de posse de Donald Trump, Israel anunciou a construção de novos colonatos judaicos — um total de 5.500.

“As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar”

Outro sinal de que, apesar de tudo, pelo menos parte do statu quo diplomático dos EUA será mantido sob Donald Trump partiu da delegação norte-americana na Organização das Nações Unidas (ONU). Naquela que foi a sua primeira intervenção como embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley falou de forma inequivocamente crítica contra a Rússia quando tratou de falar sobre a guerra no leste da Ucrânia e a ocupação da Crimeia, que aos olhos dos EUA e da União Europeia foi anexada pela Rússia em 2014. Desde então tanto Washington D.C. como o bloco de 28 países na Europa impõe sanções à Rússia.

“A Crimeia é parte da Ucrânia”, disse Nikki Haley. “As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar em prática até a Rússia devolver o controlo da península à Ucrânia. O princípio básico destas Nações Unidas é que os estados devem viver lado a lado em paz.”

A atual embaixadora dos EUA na ONU manteve o léxico condenatório que já era conhecido a Samantha Powers, a sua antecessora escolhida por Barack Obama, no que à Crimeia diz respeito. Nikki Haley falou do “sofrimento de um país por causa das ações agressivas da Rússia”, referiu que estava em decurso uma “ocupação” e exigiu o cumprimento dos termos do Acordo de Minsk, firmado em 2015. E embora tenha dito que os EUA “querem melhorar as suas relações com a Rússia”, disse que a “situação crítica no leste da Ucrânia exige uma condenação clara e forte das ações” de Moscovo.

Em janeiro, ainda antes de tomar posse, Donald Trump falou sobre a possibilidade de suspender as sanções impostas à Rússia. “Se nos dermos bem e a Rússia nos ajudar, porque é que haveríamos de ter sanções contra alguém que está a fazer coisas muito boas?”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)