Rádio Observador

Presidente Trump

Donald Trump volta atrás em Israel e põe um travão com a Rússia

192

No mesmo dia em que teve um telefonema desastroso com o primeiro-ministro australiano, Donald Trump recuou em relação a Israel e à Rússia. O The New York Times diz que Trump segue políticas de Obama.

Nas Nações Unidas, a nova embaixadora dos EUA criticou a "ocupação" russa da Ucrânia e falou da manutenção das sanções

Getty Images

Quinta-feira foi um dia agitado, com avanços e recuos na política externa norte-americana. Depois de o dia de Donald Trump ter começado com um telefonema atribulado com o primeiro-ministro da Austrália, os EUA fecharam aquelas 24 horas com alguns recuos diplomáticos e políticos em relação a Israel, à Rússia e também ao Irão. Para o The New York Times, Donald Trump está agora a “abraçar” alguns dos “principais pilares” da política externa de Barack Obama.

Em relação a Israel, a Casa Branca emitiu um comunicado ao final da noite onde se opunha à construção de novos colonatos judaicos. Esta foi uma posição que levou Donald Trump a criticar abertamente a administração de Barack Obama, quando esta permitiu a aprovação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU de repúdio à construção de colonatos judaicos. Segundo aquela resolução, o avanço dos colonatos defendidos pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, comprometiam a concretização dos esforços pela paz naquela região.

Nessa ocasião, Donald Trump escreveu o seguinte no Twitter: “A grande perda para Israel nas Nações Unidas vai tornar muito mais difícil uma negociação por paz. É uma pena, mas nós vamos tratar do assunto na mesma!”.

Este tom — e também o conteúdo — contrasta com o do comunicado divulgado esta quinta-feira pela Casa Branca, onde a administração de Donald Trump acabou por defender a mesma ideia que Barack Obama defendeu. “Embora não acreditemos que a existência de colonatos seja um impedimento para a paz, a construção de novos colonatos ou a expansão dos colonatos existentes além das suas fronteiras atuais poderá não ser útil para esse objetivo ser cumprido”, lê-se no comunicado.

No mesmo texto, é dito que Donald Trump “espera conseguir a paz ao longo da região do Médio Oriente” e que esse será um tema a tratar com Benjamin Netanyahu, que estará de visita aos EUA a 15 de fevereiro. Pouco depois da tomada de posse de Donald Trump, Israel anunciou a construção de novos colonatos judaicos — um total de 5.500.

“As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar”

Outro sinal de que, apesar de tudo, pelo menos parte do statu quo diplomático dos EUA será mantido sob Donald Trump partiu da delegação norte-americana na Organização das Nações Unidas (ONU). Naquela que foi a sua primeira intervenção como embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley falou de forma inequivocamente crítica contra a Rússia quando tratou de falar sobre a guerra no leste da Ucrânia e a ocupação da Crimeia, que aos olhos dos EUA e da União Europeia foi anexada pela Rússia em 2014. Desde então tanto Washington D.C. como o bloco de 28 países na Europa impõe sanções à Rússia.

“A Crimeia é parte da Ucrânia”, disse Nikki Haley. “As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar em prática até a Rússia devolver o controlo da península à Ucrânia. O princípio básico destas Nações Unidas é que os estados devem viver lado a lado em paz.”

A atual embaixadora dos EUA na ONU manteve o léxico condenatório que já era conhecido a Samantha Powers, a sua antecessora escolhida por Barack Obama, no que à Crimeia diz respeito. Nikki Haley falou do “sofrimento de um país por causa das ações agressivas da Rússia”, referiu que estava em decurso uma “ocupação” e exigiu o cumprimento dos termos do Acordo de Minsk, firmado em 2015. E embora tenha dito que os EUA “querem melhorar as suas relações com a Rússia”, disse que a “situação crítica no leste da Ucrânia exige uma condenação clara e forte das ações” de Moscovo.

Em janeiro, ainda antes de tomar posse, Donald Trump falou sobre a possibilidade de suspender as sanções impostas à Rússia. “Se nos dermos bem e a Rússia nos ajudar, porque é que haveríamos de ter sanções contra alguém que está a fazer coisas muito boas?”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)