O Ministro do Interior holandês, Ronald Plasterk, confirmou que nas próximas eleições o Conselho Eleitoral holandês irá contar os votos à mão para que se previna um possível ciberataque. “Diante da possibilidade de a Rússia intervir nas eleições, há que recorrer aos antigos papel e caneta, para que não exista “qualquer sombra de dúvida”, conta o El Español. Ou seja, para evitar o que poderá ter acontecido nas eleições dos Estados Unidas da América, a Holanda afirma que vai evitar, sempre que possível, o uso do computador.

Obama acusa formalmente a Rússia de tentar interferir nas eleições dos EUA através de ciberataques

Segundo relata o jornal, Ronald Plasterk, Ministro do Interior, enviou uma carta ao Parlamento a afirmar que, face aos recentes acontecimentos, estas medidas tornam-se estritamente necessárias. Em declarações à imprensa, o Ministro terá afirmado que “não pode descartar a ideia de que os autores estatais (estrangeiros) podem tentar influenciar nas decisões políticas e na opinião pública” do país.

Segundo Ronald, os sistemas que, atualmente, se utilizam nos colégios eleitorais são “vulneráveis” a ataques informáticos e isso faz crescer a dúvida da possível manipulação nas próximas eleições de países como a Rússia ou China.

Ainda que o uso do papel e caneta seja mais seguro no que toca a possíveis ciberataques, irá fazer com que o processo de contagem de votos seja muito mais moroso, acrescentou o ministro. A Holanda não é o primeiro país da Europa a mostrar preocupação face aos ciberataques nas eleições.

França diz que também teme ciberataques russos nas eleições

Alemanha prepara medidas para repelir possíveis ataques cibernéticos nas eleições