O ministro britânico da Defesa, Michael Fallon, acusou na quinta-feira a Federação Russa de fazer da desinformação “uma arma” para desestabilizar os ocidentais, mencionando a pirataria informática e os órgãos de comunicação internacionais do Kremlin. “Vemos hoje um país que, ao fazer da desinformação uma arma, fez nascer o que podemos ver como uma era pós-verdade”, declarou Fallon, durante um discurso na Universidade de St Andrews, na Escócia.

“A Rússia está a testar com toda a clareza a NATO e o Ocidente. Procura estender a sua influência, desestabilizar os países e enfraquecer a aliança” atlântica, disse, acrescentando que “atenta contra a segurança nacional de muitos aliados e o sistema de relações internacionais”. Com esta análise, considerou que “é do interesse [britânico] e da Europa de manter uma NATO forte e dissuadir a Rússia”. Estimou que a NATO se devia “defender de maneira tão eficaz no espaço cibernético como o faz no ar, na terra ou no mar”.

Atacou ainda a imprensa estatal russa, como a cadeia televisiva internacional RT e a agência noticiosa Sputnik, disponíveis em inglês e outras línguas, que acusou de difundir “a desinformação de estilo soviético”.